Pesquisar este blog

O que é Yoga

A palavra yoga tem uma extensa gama de aplicações na língua sânscrita, como "união", "equipe", "soma" etc. e, dessa forma ao definir o significado de Yoga corremos o risco de limitá-lo.

Há muito tempo, a palavra yoga passou a ser aplicada também a "esforço espiritual", especificamente o controle da mente e dos sentidos. Esse uso é encontrado pela primeira vez no Taittiriya Upanishad que data do segundo milênio a.C.

Na época da composição do Bhagavad-Gita (séc. III ou IV a.C.), a palavra "yoga" era muito usada para designar a tradição hindu de disciplina espiritual, incluindo diferentes abordagens ao auto conhecimento ou iluminação.


Nos dias de hoje, existem centenas de abordagens que se denominam Yoga e são caracterizadas em sua grande maioria por práticas que integram mente, corpo e espírito.

A História do Yoga


A história do Yoga é pouco conhecida devido à escassez de material cronológico disponível.

Pode-se distinguir seis fases no desenvolvimento do Yoga:

1ª - Yoga Arcaico ou Proto-Yoga do período antigo, que pode ser reconstruído a partir dos restos arqueológicos da civilização do Indo-Sarasvati (ca. 3000-1800 a.C.) e também das descrições contidas nos hinos das quatro coletâneas védicas.


2ª - Yoga Pré-Clássico, que começou com os primeiros Upanishads (ca. 1500 a.C.), que expõem uma forma de misticismo sacrifical baseada na internacionalização do ritual brâmanico. Esses esforços levaram ao desenvolvimento de uma rica tecnologia contemplativa que envolve práticas e conceitos yogues antigos, baseados na metafísica não-dualista do Vedanta.

3ª - Yoga Épico (ca. 500 a.C.-200 d.C), que evoluiu na era dos Upanishads intermediários e da epopéia Mahabharata. Aqui testemunhamos a proliferação de doutrinas e escolas que, em sua maioria, professam o não-dualismo. Os ensinamentos do Yoga se desenvolveram em íntima associação com as idéias da tradição Sâmkya. Como muitos desses desenvolvimentos estão registrados no Mahabharata, essa fase do Yoga Pré-Clássico pode também ser chamada de Yoga Épico.

4ª - Yoga Clássico (começando ca. 200 d.C.), que tem sua fonte no Yoga Sutra de Patanjali, desenvolvendo-se por vários séculos através de uma extensa literatura de comentários. Seus fundamentos metafísicos já não são mais os do Vedanta, mas adota uma interpretação estritamente dualista da realidade.


5ª - Yoga Pós-Clássico (ca. 200 d.C.-1900 d.C.), que retomou os ensinamentos não-dualistas do Yoga Pré-Clássico, ignorando grande parte da filosofia dualista de Patanjali, embora recorra ocasionalmente ao seu delineamento do caminho óctuplo e às suas excelentes definições. Esse é o período dos Yoga-Upanishads, das escrituras do Tantra e do Htahta-Yoga.

6ª - Yoga Moderno (começando ca. 1900 d.C.), que é sintetizado no Yoga Integral de Sri Aurobindo e nas muitas escolas ocidentais de Hatha Yoga.
Unifesp encontra melhora nos níveis de ansiedade e depressão nos praticantes de Yoga.

Um trabalho realizado pela pesquisadora Thais Godoy, do Instituto de Medicina Comportamental do Departamento de Psicobiologia da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo) encontrou resultados que demonstraram que os efeitos da Yoga melhoram os sintomas do humor e da qualidade de vida dos praticantes. Isso inclui uma significante melhoria do estado de saúde e satisfação de vida dos participantes.
O estudo verificou a eficácia da prática do Yoga como um recurso terapêutico, que pode ser utilizado como terapia complementar por qualquer indivíduo ou ainda como importante recurso nos tratamentos psicológicos ou psiquiátricos, indicados para qualquer tipo de problema comportamental.
O desenvolvimento de um programa de Yoga em um ambiente empresarial, como o executado neste estudo, sugere também que ao melhorar a qualidade de vida dos funcionários melhora também a sua produtividade. “O Yoga incentiva os praticantes a tomarem consciência de seu corpo e de suas tensões através de posturas físicas. Além disso, por focar o auto conhecimento, concentração e meditação, sua prática também pode contribuir para facilitar a autoconfiança e um sentimento pessoal de maior senso de controle e qualidade de vida”, afirma Dr. Ricardo Monezi Julião de Oliveira, professor do curso de pós graduação em Medicina Comportamental, do departamento de Psicobiologia da UNFESP.
O cálculo da amostra foi realizado partindo de um projeto piloto contendo 15 indivíduos de um grupo experimental de uma empresa e 15 no grupo de controle (que não realizou a prática). Entre os diversos resultados obtidos, constatou-se que 68% dos indivíduos do grupo Yoga apresentavam índice mínimo de depressão, enquanto no grupo que não pratica apenas 39% apresentaram tal melhora. Outro dado importante foi o grau de ansiedade do grupo Yoga que apresentou grau mínimo de ansiedade (76%), sendo que os indivíduos do grupo de controle apresentaram apenas 7%.
Na comparação dos dois grupos (que praticam e os que não praticam), foram constados diferentes níveis de ansiedade antes e depois da inserção do Yoga em suas vidas. Só para se ter uma idéia, o grupo que pratica Yoga começou com 24% no nível mínimo, 52% no leve, 20% no moderado e 4% no grave. Ao final de três meses, o resultado foi de 19% no nível mínimo, 6% no leve e nenhuma pessoa mais nos níveis moderado e grave. Desta forma, concluiu-se claramente que o grau de ansiedade das pessoas diminuiu drasticamente após as práticas.
No item qualidade de vida que engloba questões relacionadas à satisfação com a vida e com a saúde, foi observada significativa melhora no final do programa, tanto para os praticantes como o integrantes do grupo que não praticaram Yoga.
Vale lembrar que a idade dos participantes variam de 20 a 45 anos de idade e a aplicação do programa com as técnicas de Yoga tiveram duração de três meses, com 50 minutos/aula para os praticantes, como para o grupo de controle, que serviu como parâmetro de comparação.
Questionários de avaliação clínica (qualidade de vida, depressão e ansiedade), com perguntas objetivas, foram interpretados por uma psicóloga da equipe de pesquisa. As técnicas de Yoga foram aplicadas em seqüência estruturada, usando como referência, o Yoga Sutra de Patânjali, também conhecido como Ashtânga ou Oito Membros, onde se considera que as asanas (postura físicas) são uma preparação para as técnicas meditativas e respiratórias, auxiliando na concentração e relaxamento ao final da prática.

O QUE PODEMOS ESPERAR DA YOGA


Os frutos da boa prática de yoga não se limitam apenas ao corpo, a mente, o emocional e o espírito do indivíduo, mas se projetam de maneira muito acentuada nas realizações profissionais e pessoais. A tão necessária prosperidade recebe um aliado de primeira grandeza, a harmonia e satisfação existencial também. Em minha opinião, além da saúde, estes últimos são os que mais me trouxeram satisfação ao serem manifestados nas vidas de milhares em muitos países e principalmente o meu próprio durante minha prática desta ciência milenar e universal. Vamos numerar alguns itens que yoga nos oferece:

1.     Cultivar e conquistar boa saúde.
2.     Ultrapassar ou aliviar asma, diabetes, dores nas costas, excesso de peso, desordens do aparelho digestivo, melhoria do sistema cardiovascular, do funcionamento das glândulas endócrinas e ser utilizada como terapia de apoio para inúmeras enfermidades. O benefício para o sistema nervoso e o cérebro é inigualável.
3.     Aprimoramento de nossa condição estética pela pele, definição corporal e semblante pessoal. Podemos trabalhar o corpo de maneira localizada sem o risco de se desenvolver volumes desnecessários de musculatura, que tendem a se tornar um fardo para o coração e a se transformarem em gordura com o tempo, acelerando o processo de envelhecimento do corpo. E o melhor, podemos trazer de dentro e incorporar em nossa fisionomia a nossa insondável beleza interior.
4.     Aliviar ou eliminar gradativamente as causas que apóiam as manifestações de males que possuam fundo mental ou emocional, estima-se que 80% dos problemas de saúde se encontram nesta categoria, conhecidos pelo nome de problemas pisco- somáticos.
5.     Desenvolver a força de vontade.
6.     Experimentar a expressão real de nosso potencial humano latente.
7.     Melhoria do relacionamento humano.
8.     Aprimoramento eficaz e intenso de nosso intelecto, concentração e memória.
9.     Auto-conhecimento e paz interior.

10.   Alívio de estresse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor me de a sua opiniao