Pesquisar este blog

sexta-feira, 31 de março de 2017

20 Laxantes Naturais Para Ajudar a Mantê-lo Regular



Os laxantes podem ter efeitos poderosos sobre a sua saúde digestiva. 

O problema dos laxantes químicos é que ao invés de promoverem uma boa digestão, eles viciam o organismo de modo tal que o mesmo depois de um certo tempo não consegue mais eliminar bem as fezes. 

O sistema digestivo piora invés de melhorar cria uma séria dependência dos laxantes. 

Isso sem falar que eles eliminam junto com os resíduos, muitos nutrientes essenciais causando deficiência nutricional, fraqueza, anemia e muitas outras doenças ligadas à sub-nutrição.

Felizmente existem os laxantes naturais, que por suas características doces e pouco invasivas, podem ajudar a aliviar a constipação e promover movimentos intestinais regulares. Sem danificar os aparelhos digestivo e excretório.

Este artigo examinará 20 laxantes naturais e como eles funcionam

 

Quais são os laxantes e como eles funcionam?


Laxantes são substâncias que amolecem as fezes ou estimulam um movimento intestinal. Eles também aceleraram o trânsito intestinal.

Os laxantes são freqüentemente usados ​​para tratar a constipação, uma condição caracterizada por evacuações raras, difíceis e às vezes dolorosas.

Existem vários tipos de laxantes que funcionam de maneiras diferentes. As principais classes de laxantes são:

Laxantes formadores de massa
Estes se movem através do bolo alimentar não digerido, absorvendo a água e inchando-o para formar as fezes.

Suavizantes de fezes
Eles aumentam a quantidade da água absorvida pelas fezes para torná-las mais suaves e fáceis de passar.

Laxantes lubrificantes
Estes revestiem a superfície das fezes e o tecido intestinal para manter a umidade, amaciando as fezes e facilitando a passagem.

Laxantes de tipo osmótico
Ajudam o cólon a reter mais água, aumentando a freqüência de evacuações.

Laxantes salinos
Estes atraem água para o intestino delgado para encorajar os movimentos intestinais.

Laxantes estimulantes
Eles aceleram o movimento do sistema digestivo para induzir os movimentos intestinais.

Embora os laxantes de balcão possam ser muito úteis para aliviar a constipação, usá-los com muita freqüência pode causar distúrbios eletrolíticos e mudanças no equilíbrio ácido de base, potencialmente levando a danos cardíacos e renais no longo prazo.

Se você está precisando alcançar a regularidade, tente incorporar alguns laxantes naturais em sua rotina. Eles podem ser uma alternativa segura e barata aos produtos de balcão, com efeitos colaterais mínimos.

Aqui estão 20 laxantes naturais que você pode querer tentar.


1. Sementes de Chia


A fibra é um tratamento natural e uma das primeiras linhas de defesa contra a constipação.

Ela se move através dos intestinos, sem ser digerida, adicionando volume às fezes e incentivando a regularidade.

Estudos mostram que o aumento da ingestão de fibra pode aumentar a freqüência de fezes e suavizá-las para facilitar a sua passagem.


Sementes de Chia são particularmente ricas em fibras solúveis, contendo quase 11 gramas em apenas 28 gramas.

A fibra solúvel absorve água para formar um gel, que pode ajudar na formação de fezes mais macias para diminuir a constipação.


2. Bagas


A maioria das variedades de frutos são relativamente ricos em fibras, tornando-os uma ótima opção como um leve laxante natural.

Morangos contêm 3 gramas de fibra por xícara (152 gramas), mirtilos fornecem 3,6 gramas de fibra por xícara (148 gramas) e amoras possuem 7,6 gramas de fibra por xícara (144 gramas).

A American Dietetic Association recomenda 25 gramas de fibra por dia para as mulheres e 38 gramas de fibra para os homens para adicionar volume às fezes e prevenir doenças crônicas.

As bagas contêm dois tipos de fibra: solúvel e insolúvel.

A fibra solúvel, tal como a das sementes de chia, absorve a água no intestino para formar uma substância semelhante a um gel que ajuda a suavizar as fezes.

A fibra insolúvel não absorve água, mas se move através do bolo fecal intacto, aumentando o volume de fezes para facilitar a passagem.

Incluir algumas variedades de bagas em sua dieta é uma maneira de aumentar sua ingestão de fibra e tirar proveito de suas propriedades laxantes naturais.


3. Leguminosas


Leguminosas são uma família de plantas comestíveis que incluem feijão, grão de bico, lentilhas, ervilhas e amendoins.

As leguminosas são ricas em fibras, o que pode favorecer a regularidade.

Uma xícara (198 gramas) de lentilhas cozidas, por exemplo, contém 15,6 gramas de fibra, enquanto 1 xícara (164 gramas) de grão-de-bico fornece 12,5 gramas de fibra.

Comer legumes pode ajudar a aumentar a produção no seu corpo de ácido butírico, um tipo de cadeia curta de ácidos graxos que podem agir como um laxante natural.

Estudos mostram que o ácido butírico pode auxiliar no tratamento da constipação, aumentando o movimento do trato digestivo.

Ele também atua como um agente anti-inflamatório para reduzir a inflamação intestinal que pode estar associada a alguns distúrbios digestivos, como doença de Crohn ou doença inflamatória intestinal.


4. Linhaça


Com seu teor de ácidos graxos ômega-3 e alta quantidade de proteína, fa linhaça é rica em muitos nutrientes que a torna uma adição saudável para qualquer dieta.

Não só isso, mas a linhaça também tem propriedades laxantes naturais e é um tratamento eficaz para constipação e diarréia.

Um estudo em animais de 2015 mostrou que o óleo de linhaça aumentou a freqüência de defecação em cobaias. Também teve um efeito anti-diarréico e foi capaz de reduzir a diarréia em até 84%.

A linhaça contém uma boa mistura de fibras seja solúveis que insolúveis.
Elas ajudam a reduzir o tempo de trânsito intestinal e adiciona volume ás fezes.
Uma colher de sopa (10 gramas) de sementes de linhaça fornece 2 gramas de fibra insolúvel, mais 1 grama de fibra solúvel.


5 . Kefir


O kefir é um produto do leite fermentado.
Ele contém probióticos, um tipo de bactérias intestinais benéficas com uma variedade de benefícios para a saúde, incluindo melhorar a função imunológica e estimular a saúde digestiva.

Consumir probióticos através de alimentos ou suplementos pode aumentar a regularidade.

Um estudo de 2014 analisou os efeitos do kefir em 20 participantes com constipação.
Depois de consumir 500 ml por dia durante quatro semanas, os participantes tiveram um aumento na freqüência das evacuações, melhorias na consistência e uma diminuição no uso de laxantes.



6. Óleo de Rícino


Feito de mamonas, o óleo de rícino tem uma longa história de uso como um laxante natural.
Após seu consumo ele libera oácido ricinoleico, um tipo de ácido graxo (ômega 9) insaturado que é responsável por seu efeito laxante.
O ácido ricinoléico funciona através da ativação de um específico receptor no trato digestivo que aumenta o movimento dos músculos intestinais para induzir um movimento intestinal.

Um estudo mostrou que o óleo de rícino foi capaz de aliviar os sintomas de constipação, suavizando a consistência das fezes, reduzindo o esforço durante a defecação e diminuindo a sensação de evacuação incompleta.


7. Folhas Verdes


Folhas verdes como espinafre, couve e repolho trabalham em algumas maneiras diferentes para melhorar a regularidade e prevenir a constipação.

Primeiro, elas são densamente nutrientes, o que significa que fornecem uma boa quantidade de vitaminas, minerais e fibras com relativamente poucas calorias.

Cada xícara (67 gramas) de couve, por exemplo, fornece 1,3 gramas de fibra para ajudar a aumentar a regularidade e tem apenas cerca de 33 calorias

Folhas verdes também são ricas em magnésio.

Este é o ingrediente principal em muitos tipos de laxantes, uma vez que ajuda a extrair água para os intestinos para ajudar a passar fezes.

Alguns estudos têm demonstrado que a baixa ingestão de magnésio pode estar associada com a constipação, portanto  garantir a ingestão adequada é crucial para a manutenção regularidade.


8. Senna


Extraído da planta Senna alexandrina, a senna é uma erva que é muitas vezes usada como um estimulante natural laxante.
A senna é encontrada em muitos produtos de balcão e sua capacidade de aliviar os efeitos da constipação se deve ao sennoside da planta.
Sennosides são os compostos que trabalham acelerando o movimento do sistema digestivo para estimular um movimento dos intestinos.
Eles também aumentam a absorção de líquidos no cólon para auxiliar na passagem de fezes.


9. Maçãs


Maçãs são ricas em fibras, fornecendo 3 gramas de fibra por xícara (125 gramas). Mais, elas são ricas me pectina, um tipo de fibra solúvel que pode agir como um laxante.

Um estudo mostrou que a pectina foi capaz de acelerar o tempo de trânsito no cólon.
Ela também atuou como um prebiótico, aumentando a quantidade de bactérias benéficas no intestino para promover a saúde digestiva.

Outro estudo deu ratos fibra de maçã durante duas semanas antes de administrar morfina para causar constipação.
Eles descobriram que a fibra da maçã impediu a constipação, estimulando o movimento no trato digestivo e aumentando a freqüência das fezes.


10. Azeite


Algumas pesquisas descobriram que o consumo de azeite pode ser uma maneira eficaz de aliviar a constipação.
Ele funciona como um laxante lubrificante, proporcionando um revestimento no reto que permite a passagem mais fácil, enquanto também estimula o intestino delgado para acelerar o trânsito.

Em estudos, o azeite demonstrou funcionar bem seja estimulando os movimentos intestinais que melhorando os sintomas de constipação.

Em um estudo, os pesquisadores combinaram o azeite com uma fórmula tradicional de limpeza do cólon e descobriram que a fórmula foi mais eficaz quando emparelhada com azeite do que com outros laxantes, como hidróxido de magnésio.


11. Ruibarbo


O ruibarbo contém um composto conhecido como sennoside A, que fornece algumas potentes propriedades laxantes.
O sennoside A diminui os níveis de AQP3, um tipo de proteína que regula o conteúdo de água nas fezes.
Isso leva a um efeito laxante, aumentando a absorção de água para suavizar as fezes e alivia as evacuações.
O ruibarbo também contém uma boa quantidade de fibra para ajudar a promover a regularidade, com 2,2 gramas de fibra em cada copo (122 gramas.


12.  Aloe Vera


O gel de Aloe vera que vem do revestimento interno das folhas da planta de aloe, também conhecida como babosa, é freqüentemente usado como um tratamento para a constipação.
Ele  obtém seu efeito laxante dos compostos de glicosídeos antraquinona, que atraem água para os intestinos e estimulam o movimento digestivo.

Um estudo confirmou a eficácia do aloe vera, criando uma preparação usando celandina, psyllium e aloe vera. Eles descobriram que essa mistura foi capaz de efetivamente amolecer as fezes e aumentar a freqüência de movimento do intestino.


13. Farinha de Aveia


Produzida a partir das camadas externas do grão de aveia, a farinha de aveia é alta em ambas as fibras solúvel e insolúvel, tornando-se uma boa escolha como um laxante natural.
De fato, apenas 1 copo (94 gramas) de farinha de aveia crua contém um gritante 14 gramas de fibra.

Um estudo de 2009 avaliou a eficácia da farinha de aveia no tratamento da constipação usando-a em vez de laxantes em um hospital geriátrico.
Eles descobriram que os participantes toleraram bem o farelo de aveia.
Isso os ajudou a manter seu peso corporal e permitiu que 59% dos participantes deixassem de usar laxantes, tornando o farelo de aveia uma boa alternativa aos produtos de balcão.


14. Ameixas


As ameixas são provavelmente um dos laxantes naturais os mais bem conhecidos no mundo. Elas fornecem muita fibra, cotendo 2 gramas em cada porção de 28 gramas. Elas também contêm um tipo de álcool de açúcar conhecido como sorbitol.
O sorbitol é mal absorvido e atua como um agente osmótico, trazendo água para os intestinos, o que ajuda a induzir as evacuações.


Vários estudos descobriram que as ameixas podem aumentar a freqüência das evacuações e melhorar a sua consistência de maneira mais eficaz do que outros laxantes naturais, incluindo a fibra de psílio.


15. Kiwi


O kiwi demonstrou possuir propriedades laxantes, tornando-se uma maneira conveniente para aliviar constipação.
Isto se deve principalmente ao seu alto teor de fibra.
Uma xícara (177 gramas) de kiwi contém 5,3 gramas de fibra, cobrindo até 21% da ingestão diária recomendada .
O kiwi contém uma mistura de fibra insolúvel e solúvel.
Ele também contém pectina, que demonstrou ter um efeito laxante natural. Ele funciona aumentando o movimento do trato digestivo para estimular os movimentos intestinais.
Um estudo de quatro semanas analisou os efeitos de Kiwis em participantes constipados e outros saudáveis.
Foi descoberto  que o uso de kiwis como laxante natural ajudou a aliviar a constipação, acelerando o tempo de trânsito no intestino.


16. Citrato de magnésio


Freqüentemente encontrado nas farmácias como um produto de balcão, o  suplemento de magnésio é um laxante natural poderoso.
O citrato de magnésio tem se  demonstrado mais biodisponível e melhor absorvido no corpo do que outras formas de magnésio, como o óxido de magnésio por exemplo.
O citrato de magnésio aumenta a quantidade de água no trato intestinal, o que causa os movimentos intestinais.
Quando combinado com outros tipos de laxantes, o citrato de magnésio mostrou ser tão eficaz quanto os regimes tradicionais de limpeza de cólon usados ​​antes de procedimentos médicos.


17. Café


Para algumas pessoas, o café pode aumentar o impulso usar o banheiro. Ele estimula os músculos do cólon, o que pode produzir um efeito laxante natural.
Isto é em grande parte devido aos efeitos do café sobre a gastrina, um hormônio que é liberado depois de comer.
A gastrina é responsável pela secreção do ácido gástrico, que ajuda a quebrar os alimentos no estômago.
A Gastrina também se demonstrou capaz de aumentar o movimento dos músculos intestinais, o que pode ajudar a acelerar o trânsito intestinal e induzir um movimento intestinal.

Comparado com o grupo controle, os níveis de gastrina foram 1,7 vezes maiores para os participantes que beberam café descafeinado e 2,3 vezes mais altos para aqueles que tomaram café cafeinado.
De fato, outros estudos mostraram que o café cafeinado pode estimular seu trato digestivo tanto como uma refeição e até 60% a mais que a água.



18. Psyllium


Derivado da casca e sementes da planta Plantago Ovata, o psyllium é um tipo de fibra com propriedades laxantes. 

Apesar de conter fibra solúvel e insolúvel, seu alto teor de fibra solúvel é o que o torna especialmente eficaz no alívio da constipação.

A fibra solúvel funciona absorve água e forma um gel, que pode suavizar as fezes e torná-las mais fácieis de passar.

O Psyllium até tem se mostrado mais eficaz do que alguns laxantes. 

Um estudo comparou os efeitos do psílio com os do Docusato Sódio, um medicamento laxante, no tratamento de 170 adultos com constipação.
Os pesquisadores descobriram que o psílio teve um efeito maior no amaciamento das fezes e aumento da freqüência de evacuação.


19. Água


A água é essencial para se manter hidratado, bem como para manter a regularidade e prevenir a constipação.
Uma pesquisa mostra que ficar hidratado pode ajudar a aliviar a constipação, melhorando a consistência das fezes, tornando-as mais fáceis de passar.


Ela também pode amplificar os efeitos de outros laxantes naturais, como a fibra.

Em um estudo, a 117 participantes com constipação crônica foram dados uma dieta consistindo de 25 gramas de fibra por dia.
Além do aumento da fibra, metade dos participantes também foram instruídos a beber 2 litros de água por dia.
Após dois meses, ambos os grupos tiveram um aumento na freqüência das fezes e menos dependência de laxantes, mas o efeito foi ainda maior para o grupo que bebeu mais água.



20. Substitutos do Açúcar


O excesso de consumo de alguns tipos de substitutos do açúcar podem ter um efeito sobre a digestão.
Isto porque eles passam através do intestino sem serem absorvidos, puxando água para o intestino e a acelerando o trânsito no intestino.
Este processo é especialmente verdadeiro para os álcools de açúcar, que são mal absorvidos no trato digestivo.
O lactitol, um tipo de álcool de açúcar derivado do açúcar do leite, foi pesquisado pelo seu uso potencial no tratamento da constipação crônica.


Alguns estudos ligaram o consumo excessivo de goma de mascar sem açúcar contendo sorbitol, um outro tipo de álcool de açúcar, à diarreia.


O Xylitol é outro álcool de açúcar comum que atua como um laxante.
Ele é normalmente encontrado em pequenas quantidades nas bebidas diet e nas gomas de mastigar sem açúcar.
Se você consumi-lo em grandes quantidades, no entanto, ele poderia tirar água para o intestino, induzindo um movimento intestinal ou até mesmo causar diarréia.
Grandes quantidades de álcool de açúcar como o eritritol também poderia ter um efeito laxante, da mesma forma, estimulando os movimentos intestinais e trazendo grandes quantidades de água para o intestino.


Resumo


Existem muitos laxantes naturais que podem ajudar a manter a  regularidade intestinal aumentando a freqüência de evacuações e melhorando a consistência das fezes.
Use esses laxantes naturais, certifique-se de manter-se  bem hidratado, siga uma dieta saudável e reserve um tempo para atividades físicas regulares.

Essas medidas ajudarão a prevenir a constipação e manter seu sistema digestivo saudável.

quinta-feira, 30 de março de 2017

O Tratamento holístico


Hoje vou publicar aqui um extrato do capítulo "Métodos Holísticos de Tratamentos" do meu ebook "Renascer Pela Yoga" publicado pela Amazon.

Os princípios deste tratamento são conhecidos desde a antigüidade mas infelizmente os médicos ocidentais têm ignorado as evidências em prol de remédios elaborados pelas grande casas farmacêuticas multinacionais.

O termo holístico deriva do grego Holos que significa inteiro. 

Nesta terapia o indivíduo é considerado como um todo e o curador, invés de se preocupar apenas com o órgão doente, procura as reais causas da doença. 

Este método trata do indivíduo na sua totalidade considerando o corpo, a mente e até a família.

O princípio é que o paciente é o único que pode se curar, sendo que a causa da doença se enraíza em todo o seu ser.

Deste modo a medicina holística ajuda o paciente a se tornar um elemento ativo no processo de cura. 

Ela introduziu métodos, filosofias e várias disciplinas entre elas podemos citar as seguintes:

·      A iridologia - é uma forma de diagnose (na etimologia: conhecer através da íris) na qual a análise de padrões, cores e outras características da íris permite que se conheçam as condições gerais de saúde baseada no princípio segundo o qual as alterações na íris refletem doenças específicas em órgãos.

·      A análise mineral dos cabelos ­ -O mineralograma é um exame que detecta metais pesados no organismo como o chumbo, e o alumínio que, se presentes em excesso no organismo, podem causar diversos tipos de doenças. Este exame de uma tecnologia extremamente sofisticada, revela os excessos de metais pesados e a deficiência de minerais essenciais no organismo.

·      A acupuntura - A acupuntura é um método terapêutico com origem na Medicina Tradicional Chinesa, que consiste na estimulação de pontos cutâneos específicos através de agulhas.

·      A reflexologia - A reflexologia é uma técnica específica de pressão que atua em pontos reflexos precisos dos pés com base na premissa de que as áreas reflexas dos pés correspondem a todas as partes do corpo.

·      A homeopatia - Homeopatia é um método de tratamento que consiste na administração de doses mínimas do medicamento ao doente para evitar a intoxicação e estimular a reação orgânica.

·      As plantas medicinais que são todas as plantas que contenham substâncias com propriedades terapêuticas. Daqui surge a nutrição holistica.

·      A naturopatia - é um sistema de medicina baseado no poder de cura da natureza. Naturopatia é um sistema holístico, ou seja, os médicos naturopatas esforçam-se para encontrar a causa da doença pela compreensão do corpo, mente e espírito da pessoa.

·      O Reiki - é um sistema próprio para despertar o poder que habita dentro de nós, captando, modificando e potencializando energia.

·      O relaxamento progressivo - é uma técnica que consiste em tencionar cada parte do corpo por cerca de 10 segundos e relaxá-los por 15 a 20 segundos, prestando atenção às sensações desencadeadas.

·      O training autógeno - O treinamento autógeno é uma técnica de relaxamento baseada na auto-sugestão criada pelo psiquiatra berlinense Johannes Heinrich Schultz.

·      O Rolfing - é um sistema que alinha o corpo de acordo com o eixo de gravidade, ou seja, um fio de prumo.

·      O biofeedback ­- É uma técnica em que se aprende o controle voluntário de funções fisiológicas das quais as pessoas normalmente não tem consciência, com a finalidade de recuperar, manter ou melhorar sua saúde e/ou seus desempenhos. Isto é feito através do uso de determinados aparelhos que medem com precisão e instantaneamente como se encontra a função fisiológica em estudo, informando ao sujeito, de modo visual ou sonoro, quais os valores medidos.


A medicina holística se ocupa não só do tratamento de certas doenças mas sobretudo de manter um estado de harmonia e saúde no ser.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Como A Vitamina D Ajuda a Perder Peso



A vitamina D é um micronutriente importante e traz grandes benefícios para a saúde, incluindo o aumento da imunidade  e ossos mais fortes.

Há também evidências de que ela poderia ajudar a perder peso.

Este artigo analisa em profundidade os efeitos da vitamina D sobre a perda de peso.

O que é a vitamina D?

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel que você pode obter de alimentos ricos em vitamina D ou suplementos. Seu corpo também é capaz de produzí-la através da exposição ao sol.

A vitamina D é essencial para manter os ossos e dentes fortes, para manter seu sistema imunológico saudável e facilita a absorção de cálcio e fósforo. Daqui a confusão que algumas pessoas fazem entre cálcio e vitamina D.

Como a vitamina D não é encontrada naturalmente em muitos alimentos, a maioria dos profissionais de saúde recomenda tomar pelo menos de 5 a 30 minutos de sol diariamente ou tomar um suplemento para atender a quantidade diária recomendada de 600 UI (15 mcg). Eu pessoalmente sou contra os suplementos e sugiro a exposição ao sol pela manhã ou tarde.

Infelizmente, a deficiência de vitamina D afeta quase 50% das pessoas em todo o mundo.

Aqueles em risco de deficiência incluem:

Pessoas mais velhas
Bebês de colo
Pessoas de pele escura
Aqueles que tomam pouco sol
A obesidade é outro fator de risco para a deficiência. Curiosamente, algumas evidências sugerem que tomar suficiente vitamina D poderia ajudar com na perda de peso.

Pessoas em sobrepeso tendem a ter níveis mais baixos de vitamina D

Estudos mostram que um maior índice de massa corporal e percentual de gordura corporal estão associados a níveis sangüíneos deficientes em vitamina D.

Várias teorias diferentes especulam sobre a relação entre baixos níveis de vitamina D e obesidade.

Alguns afirmam que as pessoas obesas tendem a consumir menos alimentos ricos em vitamina D, explicando assim a associação.

Outros apontam para diferenças comportamentais, observando que os indivíduos obesos tendem a expor menos pele e podem não absorver tanta vitamina D do sol.

Além disso, certas enzimas são necessárias para converter a vitamina D em sua forma ativa, e os níveis dessas enzimas podem diferir entre indivíduos obesos e não obesos.

No entanto, um estudo de 2012 observou que uma vez que os níveis de vitamina D em indivíduos obesos são ajustados para o tamanho do corpo, não há diferença entre os níveis em indivíduos obesos e não obesos.


Isso indica que suas necessidades de vitamina D dependem do tamanho do seu corpo, o que significa que indivíduos obesos precisam de mais vitamina D do que pessoas de peso normal para atingir os mesmos níveis sangüíneos. Isso poderia ajudar a explicar por que as pessoas obesas são mais propensas a ter deficiência.

Curiosamente, perder peso também pode afetar seus níveis de vitamina D.

Em teoria, uma redução no tamanho do corpo significaria uma diminuição de sua exigência de vitamina D. No entanto, uma vez que a quantidade de vitamina D em seu corpo permanece a mesma quando você perde peso, seus níveis na realidade aumentariam.

E o tamanho da perda de peso pode afetar os  níveis de vitamina D.

Um estudo descobriu que mesmo pequenas perdas de peso levou a um modesto aumento dos níveis de vitamina D no sangue.


Além disso, os participantes que perderam pelo menos 15% do seu peso corporal apresentaram aumentos quase três vezes maiores do que os observados em participantes que perderam 5-10% do seu peso corporal.

Além disso, algumas evidências mostram que o aumento da vitamina D no sangue pode reduzir a gordura corporal e aumentar a perda de peso.

Níveis mais elevados de vitamina D podem ajudar na perda de peso

Algumas evidências sugerem que tomar suficiente vitamina D pode aumentar a perda de peso e diminuir a gordura corporal.

Pelo menos 20 mg / mL (50 nmol / L) é considerado um nível sangüíneo adequado para promover ossos fortes e saúde geral.

Um estudo analisou 218 pessoas em sobrepeso incluindo mulheres obesas durante um período de um ano. Todos foram colocados em uma dieta com restrição calórica e rotina de exercícios. Metade das mulheres recebeu um suplemento de vitamina D, enquanto a outra metade recebeu um placebo.

No final do estudo, os pesquisadores descobriram que as mulheres que supriram suas necessidades de vitamina D perderam mais peso, perdendo uma média de 3,2 kg a mais do que as mulheres que não tinham níveis sangüíneos adequados.

Outro estudo forneceu suplementos de vitamina D por 12 semanas a um grupo de mulheres em sobrepeso e com obesidade. No final do estudo, as mulheres não experimentaram nenhuma perda de peso, mas descobriram que os níveis crescentes de vitamina D diminuíam a gordura corporal.

A vitamina D também pode estar associada a uma diminuição no ganho de peso.

Um estudo em mais de 4.600 mulheres idosas descobriu que níveis mais elevados de vitamina D estavam ligados a menos ganho de peso entre as visitas durante o período do estudo de 4,5 anos.

Com base nesses estudos, parece que os benefícios da vitamina D relacionados ao peso vêm de aumentar seus níveis sangüíneos, ao invés da suplementação em si.

Como a vitamina D ajuda a perda de peso?

Várias teorias tentam explicar os efeitos da vitamina D sobre a perda de peso.

Estudos mostram que a vitamina D poderia potencialmente parar a formação de novas células de gordura no corpo.

Também poderia evitar o armazenamento de células de gordura, reduzindo efetivamente a acumulação de gordura. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26899162

Além disso, a vitamina D pode aumentar os níveis de serotonina, um neurotransmissor que afeta tudo, desde o humor à regulação do sono.
A serotonina pode desempenhar um papel importante no controle do seu apetite e pode aumentar a saciedade, reduzir o peso corporal e diminuir a ingestão de calorias. Veja aqui o estudo.

E por fim, níveis mais altos de vitamina D podem estar associados a níveis mais altos de testosterona, o que poderia desencadear a perda de peso. Leia mais aqui.

Um estudo de 2011 deu a 165 homens suplementos de vitamina D ou um placebo por um ano. Verificou-se que aqueles que receberam os suplementos experimentaram aumentos maiores nos níveis de testosterona do que o grupo controle.

Vários estudos têm demonstrado que níveis mais elevados de testosterona podem reduzir a gordura corporal e ajudar a sustentar a perda de peso a longo prazo.


Ele faz isso por impulsionar seu metabolismo, fazendo com que seu corpo para queimar mais calorias depois de comer. 
Poderia também bloquear a formação de novas células de gordura no corpo.

Quanta Vitamina D Você precisa?

Recomenda-se que adultos de 19-70 anos de idade tomem pelo menos 600 UI (15 mcg) de vitamina D por dia.

No entanto, os suplementos com vitamina D podem não ser um iguais paratodos, algumas pesquisas indicam que a dosagem deve ser baseada no peso corporal.

Um estudo ajustou os níveis de vitamina D para o tamanho corporal e calculou que 70-80 UI / kg são necessários para manter níveis adequados.

Dependendo do seu peso corporal, esta quantidade pode ser significativamente maior do que o limite superior estabelecido de 4.000 UI por dia.

Por outro lado, foram notificadas doses de até 10.000 UI / dia sem efeitos adversos.

Ainda assim, suplementos de vitamina D podem causar toxicidade quando consumidos em grandes quantidades. É melhor consultar o seu médico antes de ultrapassar o limite superior de 4.000 UI por dia.

Resumindo

É claro que há uma intrínseca relação entre vitamina D e peso.

Tomar suficiente vitamina D pode manter equilibrados seus níveis hormonais, pode ajudar a perda de peso e diminuir a gordura corporal.

Por sua vez, perder peso pode aumentar os níveis de vitamina D e ajudá-lo a maximizar seus outros benefícios, como manter os ossos fortes e proteger contra a doença.


terça-feira, 28 de março de 2017

Dietas Bruscas Que não Funcionam



Muitas pessoas querem perder peso rapidamente e optam por métodos que prometem resultados rápidos. 
Reconheço que a idéia é tentadora mas infelizmente muitas destas dietas são excessivamente restritivas e simplesmente ineficazes a longo prazo. 
Esta é a verdade nua e crua e vou explicar porquê. 
E tem mais, algumas são francamente perigosas.

Aqui estão 10 dietas que simplesmente não funcionam.



1. Dieta de Líquidos Apenas



As dietas com líquidos apenas estiveram na moda por diversas décadas. Elas prevêem a substituição de todas ou uma parte de suas refeições por uma refeição com apenas líquidos ou shakes.

Algumas dietas com líquidos incluem:

  • A dieta de Cambridge: Esta é a dieta mais restritiva e fornece de 440 a 550 calorias por dia por até 12 semanas. O plano original foi criticado por fornecer apenas 330 calorias por dia sem ser supervisionado por médicos.
  • Protein-Sparing Modified Fast (PSMF): sob supervisão médica, os pacientes obesos consomem menos de 800 calorias por dia durante seis meses. Os PSMF de hoje são considerados seguros, enquanto versões anteriores foram ligadas a algumas mortes.
  • Optimist e Medifast: Várias opções são disponíveis. Os planos que fornecem menos de 800 calorias por dia duram geralmente 26 semanas e requerem a supervisão médica.
Enquanto as pessoas podem ou não perder peso rapidamente com as dietas líquidas com muito poucas calorias, recuperar peso é extremamente comum.

Isso faz sentido, uma vez que beber refeições líquidas não fomenta hábitos alimentares saudáveis, que são necessários para a manutenção do peso bem sucedido. Óbvio, não?

Além disso, a pesquisa sugere que seguir um plano de perda de perca de peso baseado em líquidos pode levar à desordem alimentar, como compulsão alimentar ou restrição alimentar.

Em um estudo de 28 semanas, mulheres obesas adotaram uma das várias estratégias de perda de peso. No final do estudo, ocorreu significativamente mais compulsão alimentar no grupo de substituição de refeição tradicional pelos líquidos.

Enquanto dietas líquidas podem levar à perda de peso rápida e no curto prazo, elas parecem fazer mais mal do que bem a longo prazo.


2. Comprimidos "Carb-Blocker" (Bloqueadores de carboidratos)



Os bloqueadores de carboidratos, ou bloqueadores de amido, são suplementos que prometem promover a perda de peso fácil.

Eles contêm extratos de feijão que interferem com a alfa-amilase, uma enzima que divide carboidratos complexos em unidades de açúcar menores que seu corpo pode absorver.

Carboidratos complexos incluem grãos, batatas e batatas-doces. Se os carboidratos complexos não são divididos em açúcar, suas calorias não podem ser absorvidas pelo seu corpo.

No entanto, bloqueadores de carboidratos não podem impedir completamente a digestão e absorção de carboidratos complexos. Eles só retardam a ação da alfa-amilase.

Em um estudo, verificou-se que um bloqueador de amido inibia mais de 96% de amilase, contudo apenas impediu que 7% dos carboidratos fossem absorvidos.

Isso sugere que se você tomou um bloqueador de carboidratos com uma porção de espaguete contendo 60 gramas de amido, você só acabaria absorvendo cerca de 4 menos gramas de carboidratos e cerca de 16 menos calorias.

No entanto, alguns estudos descobriram que os bloqueadores de carboidratos podem causar perda de peso moderada, especialmente quando a ingestão de carboidratos é alta. Em um estudo, os bloqueadores de carboidratos causaram a maior perda de peso em pessoas que consumiram mais carboidratos.

Por outro lado, uma revisão de 2011 dos estudos concluiu que estudos maiores e de alta qualidade sobre os bloqueadores de carboidratos são necessários para determinar se eles são eficazes para a perda de peso.

Além disso, os suplementos de bloqueadores de carboidratos podem causar problemas digestivos em algumas pessoas, como gás, diarréia e inchaço.

Em geral, é melhor não tomar bloqueadores de carboidratos para perder peso.


 3. Sucos, Purgantes e Detoxes
 


Diversos purgantes e dietas detox tornaram-se muito populares ultimamente.

Além da promissora perda de peso rápida, elas normalmente alegam purgar seu corpo de "toxinas" que se acumulam ao longo do tempo.

Aqui está uma lista de vários métodos de desintoxicação ou limpeza, que pode durar de 1 a 21 dias:
  • Não beber nada além de água por até sete dias;
  • Consumir apenas sucos de frutas e vegetais frescos;
  • Beber misturas líquidas específicas, tais como limonada adoçada com xarope de bordo (uma espécie de Ácero) e pimenta caiena
  • Consumir apenas líquidos claros ao tomar laxantes, enemas ou ervas para "limpar o cólon"
Porque elas têm poucas calorias, estas dietas podem produzir uma perda de peso rápida.
Por exemplo, alguns planos de desintoxicação afirmam que você pode perder até 21 quilos em 21 dias.

No entanto, a maioria do peso perdido nestas dietas é água, especialmente durante os primeiros dias, quando a perda de peso é mais rápida.

Com exceção de um pequeno estudo em mulheres coreanas com excesso de peso, nenhum estudo examinou essas alegações ou a capacidade das pessoas de manter o peso que perdem durante uma limpeza ou desintoxicação.

No estudo coreano, as mulheres beberam uma mistura de xarope de limão contendo menos de 500 calorias por sete dias. 

Embora tenham perdido peso e melhorado alguns marcadores de saúde cardíaca, elas também perderam uma média de 0,6 quilos de músculo.

Esta perda muscular não é surpreendente, uma vez que as dietas geralmente fornecem menos de 20 gramas de proteína por dia.

Para proteger a saúde muscular, os adultos precisam de pelo menos uma grama de proteína por quilograma, ou um mínimo de 50 gramas por dia.

Além do mais, as necessidades de proteína aumentam durante a perda de peso. Uma maior ingestão de proteínas ajuda a prevenir a perda muscular em pessoas que estão perdendo peso ativamente.

Quanto mais músculo você tem, mais calorias você queima em repouso.

Além disso, uma pesquisa em animais sugeriu que as dietas de baixa proteína aumentam a produção de NPY, um hormônio que impulsiona a fome e o armazenamento de gordura da barriga.

Dietas Crash e  da Moda


Dietas da moda não funcionam


Dietas Crash ou dietas de moda sempre foram populares porque elas prometem uma perda de peso rápida se você seguir diretrizes muito específicas.
Algumas das dietas crash têm aparecido ao longo das últimas décadas e novas estão sendo constantemente criadas. Aqui estão alguns exemplos de crash populares ou dietas da moda:

4. Dieta da Sopa de repolho


Esta dieta promete perda de peso de até 10 quilos em 7 dias.
Cada dia você come tudo o que você quer de um ou dois tipos de alimentos. Você também consome uma sopa feita de repolho e outros vegetais todos os dias.


5. Dieta de grapefruit



Este plano de perda de peso crash foi criada na década de 1930 com base na crença que a grapefruit teria propriedades de queima de gordura.
Além de grapefruit em cada refeição, você consome low-carb (poucos carboidratos) e alimentos ricos em proteína como ovos e carne.


6. Five-Bite Diet



Esta abordagem envolve comer qualquer coisa que você queira mas só permite que você dê apenas cinco mordidas por refeição.
Foi criada pelo Dr. Alwin Lewis, que promete perda de peso de até 15 quilos por semana.


7. Alimentação de Bebé



Nesta dieta, você substitui uma ou duas refeições por dia com vários frascos de alimentos para bebés contendo de 25-75 calorias cada, consumidos em intervalos de uma hora durante o dia.
Embora algumas dessas dietas parecem divertidas, elas não são uma boa idéia se seu objetivo é a perda de peso sustentável.

Elas não são bem equilibradas, nutritivas ou baseadas na ciência.

A maioria delas são muito baixas em calorias, o que certamente pode produzir perda de peso rápida no curto prazo.

No entanto, a pesquisa demonstrou que uma restrição calórica grave pode levar a uma redução na taxa metabólica, na perda de massa muscular e na fome de rebote (que faz o peso recuperar peso inevitávelmente).

Além disso, essas dietas de moda são tipicamente baixas em proteína.

Como eu expliquei anteriormente, isso pode causar muitos dos mesmos efeitos que a restrição calórica drástica. Um estudo de 1996 sugere que dietas muito baixas em calorias podem levar à resistência à insulina e diabetes em alguns indivíduos.

No caso da dieta de Grapefruit, ela fornece proteínas e calorias adequadas mas não há evidências de quea  grapefruit aumente a queima de gorduras.
Assim, qualquer perda de peso experimentado neste plano será principalmente devido à sua alta taxa deproteína e baixo teor de carboidratos.


 8. "Fat-Burner"



Tomar uma pílula que ajuda você a queimar gordura pode parecer a solução perfeita para perder peso rapidamente.

No entanto, algumas dessas pílulas contêm ingredientes questionáveis ​​que podem acabar fazendo muito mais mal do que bem.

A cafeína é um dos ingredientes principais em muitos produtos "queimadores de gordura".

Em um estudo, os homens experimentaram um impulso na taxa metabólica depois de consumir um suplemento que contém cafeína e antioxidantes como EGCG, que é encontrado no chá verde.
Apesar de quantidades modestas de cafeína serem seguros e poderem ajudar a promover a perda de gordura e aumentar o desempenho físico, alguns queimadores de gordura contêm substâncias que podem causar efeitos secundários perigosos.

Os relatórios de danos hepáticos e outros problemas de saúde têm sido freqüentes.

Em dois casos, mulheres jovens previamente saudáveis ​​desenvolveram insuficiência hepática que exigiu  transplantes hepáticos após a ingestão de queimadores de gordura contendo ácido usnic. A ironia maior é que os anúncios de queimadores de gordura e pílulas de perda de peso são freqüentemente encontrados em revistas de fitness femininas que promovem um estilo de vida saudável.

Em vez de tomar pílulas que contêm ingredientes potencialmente nocivos, beba algumas xícaras de café ou chá verde diariamente.


 9. Comer apenas um alimento



Comer apenas um alimento tem sido uma abordagem popular para a perda de peso rápida por décadas.

Conhecida como comer monotrófico, ou "mono comer", envolve comer tanto quanto você quer de um alimento por vários dias.

Exemplos incluem comer apenas frutas, ovos, batatas ou biscoitos!!!

Como os outros métodos expostos, uma perda rápida de peso a curto prazo pode ocorrer com esta 
estratégia.

Isto é principalmente devido ao fato de ficar tão cansado de comer apenas um alimento que a sua ingestão de calorias automaticamente diminui.

O problema com esta estratégia é que comer apenas um alimento é um modo desequilibrado de fazer dieta e não pode durar muito tempo.

Enquanto comer apenas ovos fornece muito mais proteínas e outros nutrientes do que uma dieta composta de batatas ou biscoitos, eles não tem a fibra e os antioxidantes encontrados em alimentos vegetais. Existem poucos estudos, se existir algum, sobre mono comer.
No entanto, a evidência clássica mostra que as pessoas quase sempre recuperam o peso quando sai da dieta.

Assim como outras dietas que restringem severamente suas escolhas alimentares, ela não ajuda você a desenvolver hábitos alimentares que levará à manutenção de peso bem sucedido.


10. Cetonas de Framboesas



Cetonas são compostos encontrados em framboesas vermelhas e outras bagas e frutas.

Elas são freqüentemente usados ​​para adicionar sabor e fragrância à alimentos e cosméticos. Um átomo de hidrogênio (ligado ao oxigênio) é retirado e o átomo de oxigênio passa a fazer uma ligação dupla com o carbono da cadeia.

As cetonas de framboesas aumentam a queima de gordura e aumentam os níveis de adiponectina, um hormônio que tem efeitos anti-inflamatórios e ajuda a regular o metabolismo.
Embora a adiponectina seja produzida por células de gordura,  pessoas obesas geralmente têm níveis muito mais baixos de adiponectina do que pessoas magras.

Estudos recentes em ratos descobriram que as cetonas de framboesas aumentam a queima de gordura e ajudam a proteger contra a gordura no fígado.

No entanto, as dosagens que estes animais receberam foram extremamente elevadas. 
Muito pouca pesquisa foi realizada em seres humanos, e até agora os resultados não são impressionantes.

Um suplemento que continha uma combinação de ingredientes, incluindo cetonas de framboesas, pareceu aumentar a perda de gordura em pessoas obesas, mas apenas quando combinado com dieta e exercício (!).

Por outro lado, um estudo de 2016 não encontrou diferença significativa na taxa metabólica ou queima de gordura entre as pessoas que tomaram cetonas de framboesas em comparação com aqueles que receberam uma pílula placebo.
Resumo

Muitos planos de dieta e produtos prometem uma perda de peso rápida. Mas enquanto alguns podem queimar peso temporariamente, eles não ajudam a atingir seu objetivo de perder gordura corporal permanentemente.

Além disso, essas abordagens de "solução rápida" podem levar a problemas de saúde, a comer desordenadamente e recuperar mais peso do que você perdeu.


A única solução para a perda de gordura sustentável é seguir uma dieta bem equilibrada que funciona para você e mantê-la a longo prazo.