Pesquisar este blog

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

13 Benefícios Cientificamente provados da Yoga


Derivado da palavra sânscrita "yuji", que significa jejum ou união, a yoga é uma prática antiga que une a mente e o corpo.
Ela incorpora exercícios de respiração, meditação e poses projetadas para incentivar o relaxamento e reduzir o estresse.
Praticar yoga traz muitos benefícios para a saúde mental e física, embora nem todos esses benefícios tenham sido ainda comprovados pela ciência ocidental.
Este artigo examina 13 benefícios cientificamente  provados da yoga.

1. Diminui o estresse

A Yoga é conhecida por sua capacidade de aliviar o estresse e promover o relaxamento.
De fato, vários estudos mostraram que ela faz diminuir a secreção de cortisol, o hormônio do estresse primário. 
Um estudo demonstrou o poderoso efeito da yoga sobre o estresse, seguindo 24 mulheres que se sentiam emocionalmente angustiadas.

Após um programa de yoga de três meses, as mulheres apresentaram níveis significativamente mais baixos de cortisol. Elas também apresentaram níveis mais baixos de estresse, ansiedade, fadiga e depressão.

Outro estudo em 131 pessoas teve resultados semelhantes, mostrando que 10 semanas de yoga ajudaram a reduzir o estresse e a ansiedade. Também ajudou a melhorar a qualidade de vida e a saúde mental.

Quando praticada sozinha ou junto com outros métodos de alívio do estresse, como a meditação, a yoga pode ser uma maneira poderosa de manter o stress sob controle.

2. Alivia a Ansiedade

Muitas pessoas começam a praticar yoga como forma de lidar com sentimentos de ansiedade.
Curiosamente, as pesquisas mostram que a yoga pode ajudar a reduzir a ansiedade.
Em um estudo, 34 mulheres diagnosticadas com transtorno de ansiedade participaram de aulas de yoga duas vezes por semana durante dois meses.
No final do estudo, aquelas que praticavam yoga tinham níveis significativamente mais baixos de ansiedade do que o grupo controle.

Outro estudo acompanhou 64 mulheres com transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), que se caracteriza por ansiedade severa e medo após exposição a um evento traumático.
Após 10 semanas, as mulheres que praticavam yoga uma vez por semana apresentaram menos sintomas de TEPT. Na verdade, 52% das participantes já não atendiam os critérios para o TEPT.

A ciência ocidental ainda não conseguiu entender exatamente como a yoga é capaz de reduzir os sintomas de ansiedade. Seus métodos ainda não incluem uma visão holística do universo. No entanto, ela enfatiza a importância da yoga estar presente no momento em que as pessoas encontram uma sensação de paz, o que ajuda a tratar a ansiedade.

3. Pode reduzir inflamações

Além de melhorar sua saúde mental, alguns estudos sugerem que praticar yoga pode reduzir a inflamação também.
A inflamação é uma resposta imune normal, mas a inflamação crônica pode contribuir para o desenvolvimento de doenças pró-inflamatórias, como doença cardíaca, diabetes e câncer.

Um estudo de 2015 dividiu 218 participantes em dois grupos: aqueles que praticavam yoga regularmente e aqueles que não o faziam. Ambos os grupos realizaram exercícios moderados e extenuantes para induzir o estresse.
No final do estudo, os indivíduos que praticavam yoga apresentavam níveis mais baixos de marcadores inflamatórios do que aqueles que não o fizeram.

Da mesma forma, um pequeno estudo de 2014 demonstrou que 12 semanas de yoga reduziram os marcadores inflamatórios em sobreviventes de câncer de mama com fadiga persistente.

Embora seja necessária mais pesquisa para confirmar os efeitos benéficos da yoga sobre a inflamação, essas descobertas indicam que ela pode ajudar a proteger contra certas doenças causadas por inflamação crônica.

4. Pode melhorar a saúde cardíaca

A saúde do seu coração é um componente essencial da saúde geral. Ele bomba sangue em todo o corpo para levar aos tecidos nutrientes importantes.
Estudos mostram que a yoga pode ajudar a melhorar a saúde do coração e reduzir vários fatores de risco para doença cardíaca.

Um estudo descobriu que os participantes com mais de 40 anos de idade que praticavam yoga durante cinco anos apresentaram menor pressão arterial do que aqueles que não o fizeram.

A pressão arterial elevada é uma das principais causas de problemas cardíacos, como ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais. Reduzir a pressão arterial pode ajudar a reduzir o risco desses problemas.

Algumas pesquisas também sugerem que a incorporação de yoga a um estilo de vida saudável poderia ajudar a diminuir a progressão da doença cardíaca.

Um estudo seguiu 113 pacientes com doença cardíaca, analisando os efeitos de uma mudança de estilo de vida que incluiu um ano de prática de yoga combinada com modificações dietéticas e gerenciamento de estresse.
Os participantes viram uma redução de 23% no colesterol total e uma redução de 26% no colesterol LDL "ruim". Além disso, a progressão da doença cardíaca parou em 47% dos pacientes.

Não está claro o papel que a yoga pode ter além de outros fatores como a dieta. No entanto, ela pode minimizar o estresse, um dos maiores contribuintes para a doença cardíaca.

5. Melhora a qualidade da vida

A yoga está se tornando cada vez mais comum como uma terapia complementar para melhorar a qualidade de vida de muitos indivíduos.

Em um estudo, 135 idosos foram designados para seis meses de yoga, caminhada ou grupo controle.
A prática de yoga melhorou significativamente a qualidade de vida, bem como o humor e diminuiu a fadiga, em comparação com os outros grupos.

Outros estudos analisaram como a yoga pode melhorar a qualidade de vida e reduzir os sintomas em pacientes com câncer. Um estudo seguiu as mulheres com câncer de mama submetidas a quimioterapia.
A yoga diminuiu os sintomas da quimioterapia, tais como náuseas e vômitos, além de melhorar a qualidade de vida geral.

Um estudo semelhante analisou como oito semanas de yoga afetaram mulheres com câncer de mama. No final do estudo, as mulheres tiveram menos dor e fadiga além de melhorar seus níveis de revigoração, aceitação e relaxamento.

Outros estudos descobriram que a yoga pode ajudar a melhorar a qualidade do sono, melhorar o bem-estar espiritual, melhorar a função social e reduzir os sintomas de ansiedade e depressão em pacientes com câncer.

6. Combate a depressão

Alguns estudos mostram que a yoga pode ter um efeito antidepressivo e pode ajudar a diminuir os sintomas da depressão. Isso pode ser porque a yoga é capaz de diminuir os níveis de cortisol, um hormônio do estresse que influencia os níveis de serotonina, o neurotransmissor freqüentemente associado à depressão.

Em um estudo, os participantes em um programa de dependência de álcool praticaram yoga e após duas semanas, os participantes apresentaram menos sintomas de depressão e níveis mais baixos de cortisol. Eles também tiveram níveis mais baixos de ACTH, um hormônio responsável por estimular a liberação de cortisol.

Outros estudos tiveram resultados semelhantes, mostrando associação entre praticar yoga e diminuição dos sintomas de depressão.

Baseado nesses resultados, a yoga pode ajudar a combater a depressão, sozinha ou em combinação com métodos tradicionais de tratamento.

7. Pode reduzir a dor crônica

A dor crônica é um problema persistente que afeta milhões de pessoas e tem uma série de possíveis causas, de lesões a artrite. Há um crescente corpo de pesquisas que demonstram que praticar yoga poderia ajudar a reduzir muitos tipos de dor crônica.

Em um estudo, 42 indivíduos com síndrome do túnel do carpo receberam uma tala de pulso ou fizeram yoga durante oito semanas.
No final do estudo, ficou determinado que a yoga foi mais efetiva na redução da dor e na melhoria da força de aderência do que a tala do pulso.

Outro estudo em 2005 mostrou que a yoga poderia ajudar a diminuir a dor e melhorar a função física em participantes com osteoartrite dos joelhos.

8. Promove a qualidade do sono

A qualidade do sono foi associada à obesidade, pressão alta e depressão, entre outros distúrbios.

Estudos mostram que a incorporação de yoga em sua rotina pode ajudar a promover um sono melhor. Em um estudo de 2005, 69 idosos foram designados para praticar yoga, fazer uma preparação à base de plantas ou fazer parte do grupo de controle. O grupo de yoga adormeceu mais rápido, dormiu por mais tempo e sentiu-se mais bem descansado pela manhã do que os outros grupos.

Outro estudo examinou os efeitos da yoga no sono em pacientes com linfoma. Ela diminuiu os distúrbios do sono, melhorou a qualidade e a duração do sono e reduziu a necessidade de medicamentos para o sono.

Embora a maneira como ela funciona não é clara (para a ciência ocidental), a yoga demonstrou que aumenta a secreção de melatonina, um hormônio que regula o sono e a vigilância.

Ela também tem um efeito significativo sobre a ansiedade, depressão, dor crônica e estresse - todos responsáveis pelos problemas de sono.

O9. Melhora a flexibilidade e o equilíbrio

Muitas pessoas adicionam yoga à sua rotina de ginástica para melhorar a flexibilidade e o equilíbrio. Há uma pesquisa considerável que apoia esse benefício, demonstrando que ela pode otimizar o desempenho através do uso de poses específicas que visam flexibilidade e equilíbrio.

Um estudo recente analisou o impacto de 10 semanas de yoga em 26 atletas universitários masculinos. Fazer yoga aumentou significativamente várias medidas de flexibilidade e equilíbrio, em comparação com o grupo de controle.

Outro estudo atribuiu 66 participantes idosos para praticar yoga ou calistenia, um tipo de exercício de peso corporal. Após um ano, a flexibilidade total do grupo de yoga aumentou cerca de quatro vezes a mais do que o grupo de calistenia.

Um estudo de 2013 também descobriu que a prática de yoga poderia ajudar a melhorar o equilíbrio e a mobilidade em adultos mais velhos.

Praticar apenas 15-30 minutos de yoga a cada dia pode fazer uma grande diferença para aqueles que procuram melhorar o desempenho, aumentando a flexibilidade e o equilíbrio.

10. Melhora a respiração

Os pranayamas, ou a respiração yógica, é uma prática de yoga que se concentra no controle da respiração através de exercícios e técnicas de respiração.
A maioria dos tipos de yoga incorpora esses exercícios de respiração e vários estudos descobriram que praticar yoga pode ajudar a melhorar a respiração.
Em um estudo, 287 estudantes universitários fizeram aulas por 15 semanas onde foram ensinadas várias poses de yoga e exercícios de respiração.
No final do estudo, eles tiveram um aumento significativo na capacidade vital.

A capacidade vital é uma medida da quantidade máxima de ar que pode ser expulsa dos pulmões. É especialmente importante para aqueles com doença pulmonar, problemas cardíacos e asma.
Outro estudo em 2009 descobriu que a prática de respiração yogica melhorou sintomas e a função pulmonar em pacientes com asma leve a moderada.

Estimular a respiração pode ajudar a construir resistência, otimizar o desempenho e manter seus pulmões e coração saudáveis.

11. Cura emicrânias

Emicrânias são dores de cabeça recorrentes graves que afetam cerca de 1 em cada 7 indivíduos.
Tradicionalmente, as enxaquecas são tratadas com medicamentos para aliviar e gerenciar sintomas. No entanto, aumentam as evidências de que a yoga pode ser uma terapia complementar útil para ajudar a reduzir a freqüência de enxaquecas.

Um estudo de 2007 dividiu 72 pacientes com enxaquecas em uma terapia de yoga e um grupo de autocuidado por três meses.
A prática de yoga levou a reduções na intensidade e freqüência da dor de cabeça em comparação com o grupo de autocuidado.

Outro estudo tratou 60 pacientes com enxaquecas usando cuidados convencionais com ou sem yoga. Fazer yoga resultou em uma maior diminuição da freqüência e intensidade da dor de cabeça do que os cuidados convencionais sozinhos.

Os pesquisadores sugerem que fazer yoga pode ajudar a estimular o nervo vago, o que mostrou ser eficaz no alívio de enxaquecas.

12. Promove hábitos alimentares saudáveis ​​

A ingestão imediata, também conhecida como alimentação intuitiva, é um conceito que encoraja a estar presente no momento ao comer.
Preocupa-se em prestar atenção ao gosto, ao cheiro e à textura da sua comida e perceber quaisquer pensamentos, sentimentos ou sensações que experimente. Comendo. 
Esta prática demonstrou promover hábitos alimentares saudáveis ​​que ajudam a controlar o açúcar no sangue, aumentar a perda de peso e tratar comportamentos alimentares desordenados.

Porque a yoga coloca uma ênfase semelhante na atenção plena, alguns estudos mostram que ela pode ser usada para incentivar comportamentos alimentares saudáveis.
Um estudo incorporou yoga em um programa ambulatorial de tratamento de transtornos alimentares com 54 pacientes, descobrindo que a yoga ajudou a reduzir tanto os sintomas do transtorno alimentar quanto a preocupação com os alimentos.

Outro pequeno estudo examinou como a yoga afetou os sintomas da Compulsão do Transtorno Alimentar, uma doença caracterizada por excessos compulsivos e um sentimento de perda de controle.
A yoga demonstrou-se causar uma diminuição na compulsão alimentar, no aumento da atividade física e em uma pequena diminuição do peso.

Para aqueles com e sem comportamentos alimentares desordenados, praticar atenção plena através da yoga pode auxiliar no desenvolvimento de hábitos alimentares saudáveis. 
A Yoga estimula a atenção plena, o que pode ser usado para ajudar a promover a alimentação consciente e hábitos alimentares saudáveis.

13. Aumenta a Força

Além de melhorar a flexibilidade, a yoga é uma excelente adição a uma rotina de exercícios de fortalecimento. De fato, existem poses específicas na yoga que são projetadas para aumentar a força e construir músculos. 

Surya Namaskar
Em um estudo, 79 adultos realizaram 24 ciclos de saudações do sol - uma série de poses fundamentais freqüentemente usadas como aquecimento - seis dias por semana durante 24 semanas.
Eles apresentaram um aumento significativo na força do corpo superior, resistência e perda de peso. 
As mulheres também apresentaram uma diminuição da porcentagem de gordura corporal.

Um estudo de 2015 teve descobertas semelhantes, mostrando que 12 semanas de prática levaram a melhorias na resistência, força e flexibilidade em 173 participantes.

Baseado nestas descobertas, praticar yoga pode ser uma maneira eficaz de aumentar a força e a resistência, especialmente quando usada em combinação com uma rotina de exercícios regulares.

Resumo

Alguns estudos mostram que a yoga pode causar um aumento na força, resistência e flexibilidade.

Muitos estudos confirmaram que a yoga ajuda a resolver muitos problemas mentais e demonstraram os benefícios físicos da yoga.

Incorporá-la em sua rotina pode ajudar a melhorar sua saúde, aumentar a força e flexibilidade e reduzir os sintomas de estresse, depressão e ansiedade.

Encontrar o tempo para praticar yoga apenas algumas vezes por semana pode ser suficiente para fazer uma diferença notável quando se trata de sua saúde.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Raiva Mata Mesmo

O site abc.net .au  publicou um estudo realizado por uma equipe da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, chefiada pelo Dr. professor Redford Williams.
O título é muito sugestivo: Raiva Mata.
O artigo fala do aumento significativo dos riscos de se ter um ataque cardíaco, devido a raiva e ao mau humor.
A equipe, durante seis anos, estudou nada menos do que o comportamento de 13.000 homens e mulheres, com idade entre 45 e 64 anos.
Os pesquisadores descobriram que as pessoas que se irritam intensamente, e com freqüência, têm três vezes mais probabilidades de sofrer um infarto do coração, do que aquelas que encaram os problemas com mais serenidade.
Segundo esses estudiosos, cada vez que a pessoa tem um episódio de raiva, o organismo joga no sangue uma carga extra de adrenalina.
A concentração desse hormônio no corpo aumenta o número de batimentos cardíacos e estreita os vasos sangüíneos, o que faz com que a pressão arterial se eleve.
A repetição dos momentos de raiva pode gerar dois problemas que se associam ao infarto. O primeiro é a arritmia cardíaca, o que quer dizer que o coração bate de forma descompassada.
O segundo, é a dilatação das placas de gordura que, por acaso, existam nas artérias.
Por tudo isto, é bom analisarmos os nossos atos.
Por exemplo: o mau humor está se apresentando em nossas vidas de maneira quase constante? Procuremos examinar as suas origens, a fim de que o possamos liquidar o mais rápido possível.
Caso o problema seja de alguma dívida que esteja nos preocupando, recordemos que não será com mau humor que conseguiremos os recursos para pagá-la.
Se a dificuldade é uma doença que nos atormenta, tenhamos em mente que enfermidade precisa de remédio e não de intolerância, para se curar.
Se estivermos precisando da cooperação de alguém para um empreendimento, uma tarefa, com certeza não será apresentando uma carranca que conseguiremos simpatia e ajuda.
Se estiverem se apresentando contratempos na família, não serão frases ásperas, cheias de amargura e má vontade que irão resolvê-los.
Tudo isto quer dizer que, em verdade, até hoje não se tem conhecimento de ninguém que o azedume e o mau humor tenham auxiliado.
Portanto, o melhor é tentar nos livrarmos dessa postura destruidora, cultivar a paciência e aprender a sorrir.
Ninguém consegue realizar alguma coisa sem os outros e os outros não são culpados por nossos insucessos.
Enfrentemos o novo dia, dispostos a vencer, conquistando o espaço bom que nos está reservado no mundo.
A boa vontade em relação aos outros retornará sempre para nós em clima de simpatia e camaradagem. Assim, começando hoje, coloquemos beleza em nossos olhos, a fim de olharmos a vida com lentes mais claras, libertando-nos das impressões negativas da noite passada.
Notaremos então que nosso estado íntimo se renovará e tudo tomará uma cor agradável ao nosso redor.

Tente a yoga e a meditação.
(para ler a reportagem inteira clique no link aqui e dopois clique em show transcript)

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Hatha Yoga e Brahmacharya


Hatha yoga é um antigo sistema hindu de exercícios para a saúde e a vitalidade da mente e do corpo especificamente concebidos como uma preparação para a meditação e para equilibrar as energias para que as correntes espirituais fluam mais fortemente.
No meu livro 50 Ásanas Essenciais e seus Efeitos sobre os Planos  Físico e Espiritual, disponível No site Amazon.comvocê encontra uma rotina muito simples que pode ser realizada todos os dias, projetada para equilibrar as energias do corpo e, assim, contribuir para o equilíbrio mental. 
Por favor, tente realizar as posturas diariamente. 
Pratique na privacidade do seu próprio quarto, sem chamar a atenção para si mesmo. 
Naturalmente, elas não devem ser realizadas depois de comer.
Em cada posição, sensibilize-se para sentir apenas quando o corpo estiver na posição o tempo suficiente para sintonizar as correntes nervosas envolvidas. 
Então, respire profundamente e deslize o corpo suavemente para a próxima ásana.
Depois de ter memorizado e aprendido a executar corretamente as posturas do sistema simples delineado aqui, apenas alguns momentos de prática facilitarão a concentração quase sem esforço. Você será automaticamente concentrado porque você não terá nenhuma tensão nervosa para distrair sua mente ou "enrolar" as pranas do corpo. Naturalmente hatha yoga é um tremendo auxílio à transmutação das forças vitais.

SENTIR A ENERGIA

Ao executar as ásanas, concentre-se em sentir as energias dentro das correntes nervosas. Não se estenda indevidamente nem force o corpo. Em vez disso, relaxe nas poses o melhor que puder. Não se preocupe se você não pode realizar as poses perfeitamente. Com o tempo, você encontrará o corpo cada vez mais flexível e ágil. Essa flexibilidade é um reflexo da condição de flexibilidade e alerta da mente e de um subconsciente livre de repressões.

Você já descobriu que, quando as tensões mentais são liberadas ou resolvidas, as tensões dentro do corpo físico também desaparecem. Da mesma forma, quando as saídas são liberadas através dos exercícios e da hatha yoga, as tensões mentais dentro do corpo astral são automaticamente dissolvidas. É aqui que as tensões realmente se originam. Livre a mente de pensamentos e tensões. Você será mais consciente, mais vivo, mais sereno.


Resumo

1. Faça essas ásanas como uma parte do seu sadhana diário regular.

2. Hatha yoga é uma ótima chave para governar as forças da mente, do corpo e as emoções.


Desafios pessoais para quem Escolher o caminho  da Brahmacharya

1. Seja especialmente gentil com os animais esta semana, esforçando-se por vê-los como seres divinos, assim como os humanos.

2. Pondere a diferença de consciência entre aqueles que comem carne e aqueles que não. Descubra algo sobre a diferença e guarde para você.

3. Observe os vegetarianos e não vegetarianos, determine por si mesmo qual grupo parece mais saudável.

4. Examine sua dieta, incluindo seus hábitos alimentares, e avalie-a no contínuo dos gunas: sattva, raja e tamas. Faça os ajustes que você achar necessários.

5. Olhe dentro de si mesmo e determine se você tem dúvidas secretas sobre a sabedoria do celibato. Saiba que tais dúvidas o tornarão suscetível à crítica dos céticos e conscientemente se esforce para fortalecer suas convicções em seu sadhana brahmachariya.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

9 grãos sem glúten que são super saudáveis



O glúten é uma proteína encontrada em certos tipos de grãos, incluindo trigo, cevada e centeio. Ele fornece elasticidade, permite que o pão aumente e dê aos alimentos aquela textura amaciada.

Embora o glúten não seja um problema para a maioria das pessoas, alguns podem não tolerá-lo bem.

A doença celíaca é uma doença auto-imune que desencadeia uma resposta imune ao glúten. Para aqueles com esta doença ou uma sensibilidade ao glúten, comer glúten pode causar sintomas como inchaço, diarréia e dor estomacal.

Muitos dos grãos mais consumidos contêm glúten. No entanto, também existem muitos grãos nutritivos sem glúten.

Este artigo listará 9 grãos sem glúten que são super saudáveis.

1. Sorgo

O sorgo é cultivado tanto como grão de cereal quanto para alimentação animal. Também é usado para produzir xarope de sorgo, um tipo de adoçante, bem como algumas bebidas alcoólicas.

Este grão sem glúten contém compostos benéficos de plantas que atuam como antioxidantes para reduzir o estresse oxidativo e diminuir o risco de doença crônica.

Um estudo de tubo de ensaio e em animais de 2010 revelou que o sorgo possui propriedades anti-inflamatórias significativas devido ao alto teor destes compostos vegetais .

Além disso, o sorgo é rico em fibras e pode ajudar a diminuir a absorção de açúcar para manter os níveis de açúcar no sangue constantes.

Um estudo comparou níveis de açúcar no sangue e insulina em 10 participantes depois de comer um muffin feito com sorgo ou farinha de trigo integral. O muffin de sorgo levou a uma maior redução em açúcar no sangue e insulina do que o muffin integral.

Um copo (200 gramas) de sorgo contém 12 gramas de fibra, 22 gramas de proteína e quase metade do ferro que você precisa em um dia.

O sorgo tem um sabor suave e pode ser moído na farinha para assar produtos sem glúten. Também pode substituir a cevada em receitas como a sopa de cogumelo e cevada.

2. Quinoa

A quinoa tornou-se rapidamente um dos grãos sem glúten mais populares. É incrivelmente versátil e rica em fibras e proteínas baseadas em plantas.

É também um dos grãos mais saudáveis, com uma grande quantidade de antioxidantes que podem ser benéficos na redução do risco dedoenças.

Além disso, a quinoa é rica em proteínas e é um dos poucos alimentos vegetais considerados uma proteína completa.

Embora na maioria dos alimentos vegetais falte um ou dois dos aminoácidos essenciais requeridos por seu corpo, a quinoa contém todos os oito. Isso torna uma excelente fonte de proteína baseada em plantas.

Um copo (185 gramas) de quinoa cozida fornece 8 gramas de proteína e 5 gramas de fibra. Contém micronutrientes também e supre suas necessidades diárias de magnésio, manganês e fósforo.

A quinoa é o ingrediente perfeito para fazer crostas sem glúten e caçarolas. A farinha de quinoa também pode ser usada para fazer panquecas, tortilhas ou pão rápido.

3. Painço

Embora mais conhecida como ingrediente básico na ração para pássaros, o painço é um grão antigo muito nutritivo que pode proporcionar muitos benefícios para a saúde.

Um estudo em animais descobriu que alimentar milho com ratos diminuiu os triglicerídeos sanguíneos e a inflamação.

Outro estudo analisou os efeitos do milho nos níveis de açúcar no sangue em seis pacientes diabéticos. Descobriu que o milho resultou em uma menor resposta glicêmica e níveis mais baixos de açúcar no sangue em comparação com arroz e trigo.

Um copo (174 gramas) de milho cozido contém 2 gramas de fibra, 6 gramas de proteína mais 19% de sua necessidade diária de magnésio.

Você pode incorporar o milho em seu café da manhã com uma tigela quente de mingau mingau. Além disso, você pode usar farinha de milho ou milhois para cozinhar falafel, pão ou croquetas.

4. Aveia

A aveia é muito saudável. Ela também se destaca como uma das melhores fontes de beta-glucano, um tipo de fibra solúvel com vantagens para a saúde.

Uma revisão de 28 estudos descobriu que o beta-glucano efetivamente diminuiu o LDL "ruim" e o colesterol total sem afetar o "bom" colesterol HDL.

Outros estudos mostraram que o beta-glucano pode retardar a absorção de açúcar e baixar os níveis de açúcar no sangue e insulina.

1/4 de xícara (40 gramas) de aveia seca fornece 4 gramas de fibra e 7 gramas de proteína. Ela também fornece fósforo, magnésio e vitaminas do B, também.

Embora a aveia seja naturalmente sem glúten, muitas marcas de aveia contêm glúten devido à contaminação de como elas são cultivadas e processadas.

Se você tem doença celíaca ou uma sensibilidade ao glúten, certifique-se de procurar aveia rotulada como sem glúten certificado.

Uma tigela quente de aveia com leite é a maneira mais popular de comer aveia, mas você também pode adicionar aveia a panquecas, barras de granola ou biscoitos para fibras e nutrientes extras.

5. Alforfálias
Alforfálias chama-se também trigo saraceno, mourisco, mouro ou trigo preto mas não é cereal, na verdade um pseudo-cereal. Chama-se trigo, mas não contém glúten. O trigo-sarraceno é a semente de um fruto aparentado com o ruibarbo e as azedas, apresenta uma forma triangular - na verdade piramidal -  com casca bastante dura. Aqui no Brasil não encontramos esta semente descascada com os grãos 100% inteiros. Normalmente ela vem com cerca de 30% bem quebrada e trincada, motivo pelo qual não é possível germiná-lo, somente hidratá-lo por 4, 8 e até 12 horas.

Apesar do seu nome, o trigo mourisco é uma semente tipo grão sem glúten e sem relação com o trigo.

Ele fornece muitos antioxidantes, incluindo grandes quantidades de dois tipos específicos: rutina e quercetina.

Alguns estudos em animais sugeriram que a rutina pode ser benéfica na redução dos sintomas da doença de Alzheimer. Enquanto isso, a quercetina demonstrou reduzir a inflamação e o estresse oxidativo.

Comer trigo sarraceno também pode ajudar a reduzir alguns fatores de risco para doença cardíaca.

Em um estudo, a ingestão de trigo mourisco foi associada com menor colesterol LDL total e "ruim", mais uma proporção maior de HDL "bom" e colesterol total.

Outro estudo teve descobertas semelhantes, mostrando que aqueles que comeram trigo sarraceno apresentaram menor risco de hipertensão arterial, colesterol elevado e alto nível de açúcar no sangue.

Um copo (170 gramas) de trigo mourisco contém 17 gramas de fibra, 23 gramas de proteína e mais de 90% de magnésio, cobre e manganês que você precisa para o dia inteiro.

Experimente o macarrão soba feito de trigo mourisco como uma opção sem glúten para massas tradicionais. Ou use o trigo sarraceno para adicionar um pouco de crunch às sopas, saladas ou até hambúrgueres vegetarianos.

6. Amaranto

O amaranto tem uma história rica como um dos alimentos básicos para as civilizações inca, maya e asteca. Além disso, é um grão altamente nutritivo com alguns benefícios impressionantes para a saúde.

Um estudo de 2014 descobriu que os compostos em amaranto eram efetivos no bloqueio da inflamação em humanos e camundongos, impedindo a ativação de uma via que desencadeia inflamação.

Graças ao seu elevado teor de fibras, o amaranto também pode diminuir vários fatores de risco de doença cardíaca.

Na verdade, um estudo em animais descobriu que as sementes de amaranto diminuíram os triglicerídeos sanguíneos e os níveis de colesterol LDL "ruins".

Um copo (250 gramas) de amaranto cozido contém 5 gramas de fibra mais 9 gramas de proteína. Ele também atende 29% das suas necessidades diárias de ferro e contém uma boa quantidade de magnésio, fósforo e manganês.

Você pode usar amaranto como um substituto para outros grãos, como arroz ou cuscuz. O amaranto que foi cozido e depois refrigerado também pode ser usado em lugar de amido de milho como agente espessante para sopas, geleias ou molhos.

7. Teff

Como o menor grão do mundo, o teff é um grão minúsculo mas poderoso.

Apesar de ser apenas 1/100 do tamanho de uma semente de trigo, o teff é um shot nutricional.

O teff é rico em proteínas, o que pode ajudar a promover a saciedade, reduzir os cravings (fome por ansiedade) e aumentar o metabolismo.

Ele também atende uma boa parte das suas necessidades diárias de fibra. A fibra é uma parte importante da dieta e está associada à perda de peso, ao apetite reduzido e à regularidade melhorada.

Um copo (250 gramas) de teff cozido contém 10 gramas de proteína e 7 gramas de fibra. Ele também fornece muitas vitaminas B, especialmente a tiamina.

Para assar sem glúten, tente substituir com o teff uma parte da farinha de trigo. O teff também pode ser misturado em pimentão, transformado em mingau ou usado como forma natural de engrossar caldos.

8. Milho

O milho, está entre os grãos de cereais sem glúten mais populares consumidos em todo o mundo.

Além de ser rico em fibras, o milho é também um dos poucos alimentos que contém os carotenóides luteína e zeaxantina, pigmentos vegetais que atuam como antioxidantes.

Estudos mostram que a luteína e a zeaxantina podem beneficiar a saúde dos olhos ao diminuir o risco de catarata e degeneração macular relacionada com a idade, duas causas comuns de perda de visão em adultos mais velhos.

Um estudo descobriu que aqueles que consumem muitos carotenóides tinham um risco 43% menor de degeneração macular relacionada à idade em comparação com aqueles com baixa ingestão.

1/2 xícara (83 gramas) de milho contém 6 gramas de fibras e 8 gramas de proteínas. Também é rico em magnésio, vitamina B6, tiamina, manganês e selênio.

O milho pode ser cozido, grelhado ou assado constituindo um prato saudável para uma refeição bem equilibrada.

9. Arroz integral

Embora o arroz branco venha do mesmo grão, o arroz branco teve o farelo e o germe do grão removidos durante o processamento.

O arroz integral, portanto, tem mais fibras e uma maior quantidade de micronutrientes, tornando-se um dos grãos sem glúten mais saudáveis no mundo.

Ambas as variedades de arroz são sem glúten, mas estudos mostram que a substituição de arroz branco por arroz integral vem com benefícios adicionais para a saúde.

De fato, o arroz integral no lugar do arroz branco pode levar a uma diminuição do risco de diabetes, aumento de peso e doença cardíaca.

Um copo (195 gramas) de arroz integral contém 4 gramas de fibra e 5 gramas de proteína. Ele também fornece uma boa parte das suas necessidades de magnésio e selênio para o dia.


O arroz integral substitui perfeitamente o arroz branco e pode ser combinado com vegetais ou uma fonte magra de proteína como feijão para criar uma refeição completa. Para quem segue este blog no exterior, saiba que este é o prato mais popular no Brasil.

sábado, 8 de julho de 2017

Você deve tomar suplementos de DHEA?



Muitas pessoas afirmam que equilibrar seus hormônios é a chave para se parecer e se sentir melhor.

Embora existam muitas maneiras naturais de equilibrar seus hormônios, medicamentos ou suplementos também podem alterar seus níveis hormonais e proporcionar benefícios para a saúde.

O DHEA é um hormônio natural e suplemento que pode afetar os níveis de outros hormônios em seu corpo. Foi estudado por seu potencial para aumentar a densidade óssea, diminuir a gordura corporal, melhorar a função sexual e corrigir alguns problemas hormonais.

O que é DHEA e como funciona?

DHEA, ou dehidroepiandrosterona, é um hormônio produzido pelo seu corpo.

Uma parte dele é convertida em grandes hormônios sexuais masculinos e femininos, testosterona e estrogênio.

Seus efeitos podem ser sentidos pelas ações de testosterona e estrogênio após a conversão, bem como pela própria molécula de DHEA.

Dado que o DHEA é produzido naturalmente, alguns se perguntam por que é consumido como um suplemento. O principal motivo é que os níveis de DHEA diminuem à medida que você envelhece, e essa diminuição está associada a várias doenças.

Na verdade, estima-se que o DHEA diminua em até 80% ao longo da idade adulta. Isso não é apenas relevante para adultos mais velhos, já que os níveis começam a diminuir em torno dos 30 anos de idade.

Níveis baixos de DHEA foram associados a doenças cardíacas, depressão e mortalidade.

Quando você toma este hormônio como um suplemento, seus níveis em seu corpo aumentam. Alguns também são convertidos em testosterona e estrogênio.

O aumento dos níveis desses três hormônios produz uma variedade de efeitos, que serão analisados ​​neste artigo.

Resumo: O DHEA é um hormônio natural também disponível como suplemento dietético. Baixos níveis de DHEA estão associados a algumas doenças, mas tomá-lo como um suplemento aumenta seus níveis em seu corpo.

Pode aumentar a densidade óssea

Os baixos níveis de DHEA estão associados a menor densidade óssea, que diminui à medida que você envelhece.

Além disso, os níveis baixos de DHEA também estão associados a um risco aumentado de fraturas ósseas.
Baixos níveis de DHEA estão associados com menor densidade óssea e fraturas ósseas. Complementar com isso a longo prazo pode aumentar a densidade óssea, particularmente em mulheres mais velhas.

Não parece aumentar o tamanho muscular ou a força

Devido à sua capacidade de aumentar os níveis de testosterona, muitos acreditam que o DHEA pode aumentar a massa muscular ou a força muscular.

No entanto, a maioria das pesquisas mostra que tomar suplementos de DHEA não aumenta a massa muscular ou o desempenho muscular.

Seu efeito na queima de gordura não é claro

Tal como acontece com a massa muscular, a maioria das pesquisas indica que o DHEA não é eficaz na redução de gorduras.

No entanto, algumas evidências sugerem que os suplementos de DHEA podem produzir pequenas diminuições na massa de gordura em homens idosos ou adultos cujas glândulas adrenais não funcionam adequadamente.

A maioria das pesquisas mostra que os suplementos de DHEA padrão não são geralmente eficazes para a perda de gordura. No entanto, uma forma diferente deste hormônio chamado 7-Keto DHEA pode ser mais eficaz para ajudar na perda de gordura.

Pode desempenhar um papel na luta contra a depressão

A relação entre DHEA e depressão é complexa.

Algumas pesquisas em mulheres que se aproximam da menopausa mostraram que as mulheres com depressão apresentaram níveis mais altos desse hormônio do que aquelas sem depressão.

No entanto, alguns indivíduos com depressão grave apresentam níveis mais baixos de DHEA do que aqueles com depressão mais leve.

Embora a relação entre os níveis de DHEA e a depressão não seja inteiramente clara, os pesquisadores estudaram se tomar DHEA como suplemento pode melhorar os sintomas de depressão.

Algumas pesquisas mostram que isso pode ajudar no tratamento da depressão, especialmente em indivíduos com depressão leve ou aqueles que não respondem ao tratamento normal.

Outros estudos não mostraram melhorias na função mental ou nos escores de depressão em adultos saudáveis, de meia idade e idosos.

Alguns pesquisadores ainda advertem contra o uso, uma vez que níveis mais elevados de DHEA no corpo foram associados a sintomas aumentados de depressão em mulheres de meia-idade.

Em geral, é necessária mais informação antes que o DHEA possa ser recomendado para o tratamento da depressão.

Resumo: Pode haver uma relação entre os níveis de DHEA no corpo e depressão. Pegar isso para combater a depressão não é recomendado até que haja mais informações disponíveis.

Pode Melhorar a Função Sexual, Fertilidade e Libido

Não é surpresa que um suplemento que afete os hormônios sexuais masculinos e femininos também afete a função sexual.

Em primeiro lugar, os suplementos de DHEA podem melhorar a função dos ovários em mulheres com deficiência de fertilidade.

Na verdade, ele aumentou o sucesso da fertilização in vitro (FIV) em 25 mulheres com problemas de fertilidade.

Essas mulheres foram submetidas à FIV antes e após o tratamento com DHEA. Após o tratamento, as mulheres produziram mais óvulos e uma maior porcentagem de óvulos foram fertilizados - 67%, contra 39% antes do tratamento.

Um estudo descobriu que as mulheres que tomaram suplementos de DHEA durante a FIV apresentaram uma taxa de natalidade de 23%, em comparação com uma taxa de natalidade de 4% no grupo controle.

Além disso, vários estudos mostraram que esses suplementos podem aumentar a libido e a função sexual em homens e mulheres.

No entanto, os maiores benefícios foram observados em indivíduos com deficiência de função sexual. Muitas vezes, nenhum benefício foi visto em indivíduos sem problemas sexuais.

Resumo: os suplementos de DHEA podem melhorar vários aspectos da função sexual, incluindo a libido e a fertilidade nas mulheres. Os benefícios são principalmente vistos em pessoas com deficiência de função sexual.

Pode ajudar a corrigir alguns problemas adrenais

As glândulas adrenais, que ficam sobre os rins, são um dos principais produtores de DHEA.

Alguns indivíduos têm uma condição chamada insuficiência adrenal, na qual as glândulas adrenais não podem produzir quantidades normais de hormônios.

Esta condição pode produzir fadiga, fraqueza e alterações na pressão sanguínea. Pode até progredir para tornar-se fatal.

Os suplementos de DHEA foram examinados como uma forma de tratar sintomas de insuficiência adrenal. Algumas pesquisas indicam que podem melhorar a qualidade de vida nesses indivíduos.

Em mulheres com insuficiência adrenal, o DHEA diminuiu os sentimentos de ansiedade e depressão, além de melhorar o bem-estar geral e a satisfação sexual.

Se você sofre de insuficiência adrenal ou outros problemas adrenais, você pode perguntar ao seu médico se o DHEA pode ajudá-lo.

Dosagem e efeitos colaterais

Embora tenham sido relatadas doses de 10 a 500 mg, uma dose comum é de 25-50 mg por dia.

Em relação ao tempo de tratamento, uma dose de 50 mg por dia foi usada com segurança durante um ano e 25 mg por dia foram utilizados com segurança durante dois anos.

Geralmente, os suplementos de DHEA foram usados com segurança em estudos até dois anos sem efeitos colaterais graves.

Os efeitos secundários menores incluíram pele gordurosa, acne e aumento do crescimento do cabelo nas axilas e área púbica.

Importante, os suplementos de DHEA não devem ser tomados por indivíduos com câncer afetados por hormônios sexuais.

É melhor falar com um médico antes de começar a tomar um suplemento DHEA.

Resumo

Os efeitos benéficos associados ao DHEA podem ser observados principalmente naqueles com baixos níveis de DHEA ou certas condições de saúde.

Para indivíduos jovens e saudáveis, tomar DHEA provavelmente não é necessário. Este hormônio é produzido naturalmente no corpo, e ter mais dele no corpo não é necessariamente melhor.

No entanto, suplementar com DHEA pode beneficiar alguns indivíduos, especificamente adultos mais velhos e aqueles com certos problemas adrenais, sexuais ou de fertilidade.


Recomenda-se que consulte o seu médico se estiver pensando em tomar este suplemento.