Pesquisar este blog

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Porque os Gays sao Gays

Descobri um artigo muito interessante no site  Super da Editora Abril do qual eu publico os pontos mais salientes.
Se voce quiser ler todo o artigo eu garanto que vale a pena.
E' uma otima resposta para quem quer saber mais sobre o assunto mais quente da atualidade.
Nos últimos anos, pesquisadores começaram a apontar novos – e surpreendentes – caminhos para determinar porque os gays sao gays.
As maiores novidades vêm dos estudos biológicos. 
Eles indicam que a formação da sexualidade acontece antes do nascimento – em parte pelos genes, mas também por fatores que atuam no desenvolvimento do feto. 
Não há nada comprovado e ainda falta muito a ser desvendado, especialmente sobre a influência do ambiente onde a criança é criada em sua sexualidade. Mas as evidências estão causando uma revolução no pensamento científico. E se comprovadas, poderão subverter noções básicas que construímos ao redor dos gays.
Em 1991 o neurocientista anglo-americano Simon LeVay, gay declarado, anunciou ter encontrado diferenças em cérebros de homens gays e héteros. LeVay examinou o hipotálamo, zona-chave da sexualidade no cérebro, e descobriu que a região chamada INAH-3 era entre 2 e 3 vezes menor nos gays.
Era a primeira indicação da origem biológica da homossexualidade.
 Mas, como várias pesquisas da área, a de LeVay tinha limitações: os gays do estudo haviam morrido em decorrência da aids e talvez a doença fosse responsável pela diferença. 
E, mesmo que essa diferença não estivesse relacionada com a aids, era impossível determinar se ela era causa ou conseqüência da experiência gay. 
Apesar das dúvidas, a descoberta abriu caminho para estudos que reforçam a suspeita de que a homossexualidade vem do útero.
“Minhas pesquisas sugerem que algo acontece muito cedo na vida dessas pessoas, provavelmente na vida pré-natal”, diz LeVayMas o quê?
Parte da resposta veio em 1993 com as pesquisas de Dean Hamer, do Instituto Nacional do Câncer, nos
EUA. Hamer percebeu que dentro das famílias havia muito mais gays do lado materno. 
A descoberta atraiu sua atenção para o cromossomo X (mulheres têm dois cromossomos X, enquanto os homens têm um X e um Y). 
Em seguida, a descoberta: usando um escâner, Hamer viu que uma região do cromossomo X, a Xq28, era idêntica em muitos irmãos gays. 
O que ele descobriu não foi propriamente um único gene gay, mas uma tira de DNA transmitida por inteiro. 
A notícia provocou rebuliço, e não era para menos. Mesmo contestada por outros estudos, a conexão entre genes e orientação sexual sugere que as pessoas não escolhem ser homossexuais, mas nascem assim. 
A comunidade gay começou a ver na ciência a resposta contra a idéia de que seu comportamento era “antinatural”.


Resposta genética?

Patrick e Thomas são gêmeos, têm 7 anos, olhos azuis e cabelo ondulado. Cresceram na mesma casa, criados pelos mesmos pais. À primeira vista, é impossível distingui-los. Mas passe algum tempo com eles e você verá que Patrick é sociável, atento e pensativo, enquanto Thomas é espontâneo e adora brincar de luta. Quando tinham 2 anos, Patrick encontrou os sapatos da mãe e gostou de calçá-los. Aos 3, Thomas disse que o revólver de plástico era seu brinquedo favorito. Aos 5, Thomas se fantasiou de monstro no Halloween; Patrick quis se vestir de princesa. Ridicularizado pelas risadas do irmão, decidiu ser Batman. Patrick sempre brincou entre meninas, nunca meninos. Os pais deixaram que ele fosse ele mesmo em casa, mas mantiveram alguns limites em público com medo de que seu comportamento feminino o expusesse. Funcionou até o ano passado, quando o orientador da escola ligou dizendo que ele deixara os colegas incomodados: insistia que era uma menina.
A história de Patrick e Thomas foi revelada pelo jornal Boston Globe. Como os demais gêmeos univitelinos (gerados pelo mesmo óvulo), os garotos são clones genéticos. Se a homossexualidade fosse mesmo causada por um cromossomo, os dois deveriam ter a mesma orientação sexual. Segundo estudos recentes, como o do psiquiatra americano Richard Green, garotos como Patrick têm até 75% de possibilidade de ser homossexuais quando adultos. Thomas aparenta ser heterossexual.
O caso de gêmeos com orientação sexual diferente mostra que, sozinha, a genética não explica a homossexualidade. Mas isso não significa que a criação tem todas as respostas. Afinal, antes mesmo de falar, Patrick já exibia traços femininos. Há mais dicas nessa charada: os pesquisadores americanos Michael Bailey, da Universidade Northwestern, e Richard Pillard, da Universidade de Boston, analisaram gêmeos e viram que, entre bivitelinos, se um deles é gay, o outro tem 22% de possibilidade de também ser. Para os univitelinos, a probabilidade sobe para 52%.
São números bastante superiores à taxa de homossexualidade entre a população, que seria de 10% de acordo com o famoso e polêmico Relatório Kinsey, dos anos 40, e entre 2% e 5% segundo pesquisas mais recentes. Bailey e Pillard, portanto, praticamente provam a existência de um componente genético para a homossexualidade. Ao mesmo tempo, praticamente provam, também, que os genes não dão conta de tudo. “Os estudos com gêmeos feitos até agora nos permitem uma estimativa de que até 40% da orientação sexual venha dos genes”, diz o pesquisador Alan Sanders, da Universidade Northwestern, EUA. Para aprofundar suas pesquisas, Sanders está recrutando voluntários, inclusive brasileiros, para o maior estudo genético sobre homossexualidade já realizado. “A meta é selecionar 1 000 pares de irmãos gays bivitelinos”, afirma. “Em irmãos assim, espera-se uma variação genética de 50%. Vamos analisar todo o genoma para saber se a variação é maior.”

O que mais está em jogo?



Se os genes não explicam tudo, que outros elementos explicariam? Um deles parece ser o
desenvolvimento biológico do feto ainda no útero. 
E é dessa área que vêm saindo as pesquisas mais promissoras. Uma delas é a teoria dos hormônios pré-natais. 
A idéia é que os hormônios sexuais masculinos (andrógenos) se conectam às partes responsáveis pelos desejos sexuais no cérebro e influenciam seu crescimento, tornando o cérebro mais tipicamente masculino ou feminino. A conexão dependeria das proteínas receptoras de andrógenos (AR, na sigla em inglês). 
Imagine que cada célula do cérebro seja uma casa. As ARs funcionariam como o portão dessas casas, que controla a entrada de pessoas. Sabe-se que a quantidade e a localização desses portões são diferente nos homens e nas mulheres. Cientistas já constataram, por exemplo, que o hipotálamo masculino tem mais ARs que o feminino.
Essa teoria supõe que a homossexualidade nos homens é causada por “portões” que restringem a entrada de andrógenos nas regiões responsáveis pela sexualidade, formando um cérebro submasculinizado. Nas mulheres, esses portões facilitariam entradas maiores, construindo uma estrutura supermasculinizada. Tudo conseqüência do número de ARs de cada feto – o que talvez se deva à carga genética.
O novo desafio dos pesquisadores é entender quais as origens de um fenômeno recém-descoberto: a existência de irmãos mais velhos parece afetar a sexualidade dos mais novos.
É o chamado “efeito big brother”. 
O cientista canadense Ray Blanchard acompanhou 7 mil pessoas e viu que a maioria dos gays nasce depois de irmãos homens e heterossexuais. Blanchard e o colega Anthony Bogaert calcularam que cada irmão mais velho aumenta em 33% a possibilidade de o menor ser gay. 
Um garoto com 3 irmãos mais velhos tem o dobro de possibilidade de ser gay que outro sem irmão mais velho. Um garoto com 4 irmãos mais velhos tem o triplo. Ter irmãs mais velhas não altera a probabilidade de o menino ser gay.
Para alguns, a explicação está na convivência familiar: depois de dar à luz vários homens, a mãe trataria o caçula como a menina que ela não teve. Os irmãos mais velhos também tenderiam a “dominar” o mais novo, influindo em seus sentimentos sobre si e os demais. 
Outra hipótese vem da biologia. “Os fetos masculinos talvez acionem uma reação imunológica na mãe ao produzirem substâncias que ameaçam seu equilíbrio hormonal”, diz o cientista Qazi Rahman, da Universidade de East London. Segundo ele, o corpo da mãe acionaria um alarme para produção de anticorpos contra proteínas ou hormônios do bebê.
Cada novo feto masculino intensifica a resposta, e o acúmulo de anticorpos redirecionaria a diferenciação tipicamente masculina para uma mais feminina, gerando orientação homossexual nos filhos seguintes.
Como os outros pesquisadores, Rahman não nega que fatores ambientais possam entrar na equação. O problema é que ninguém sabe exatamente quais são eles. Não há provas, por exemplo, de que o abuso sexual na infância causa homossexualidade.
O número de gays não é maior em lares chefiados por mulheres nem entre filhos criados por casais gays. Tampouco há mais casos de homossexualidade após períodos de guerra, quando os pais se ausentam de casa, o que enfraquece as hipóteses sobre dinâmicas familiares.
Nem mesmo a teoria de Sigmund Freud encontra sustentação científica. O pai da psicanálise dizia que mães superprotetoras e pais ausentes poderiam levar o filho a ser gay. Mas ao invés de encontrar a causa, Freud possivelmente enxergou a conseqüência: a superproteção da mãe não seria a origem da homossexualidade, mas um ato de defesa para um filho que é rejeitado pelo pai por se comportar, desde cedo, de maneira feminina.

O gene gay e a evolução


O desafio dos que apóiam uma base genética para a orientação sexual é explicar a permanência e adaptação dos genes gays ao longo da evolução. 
“Ser atraído pelo sexo oposto é útil porque leva o indivíduo a gerar filhos – por isso os genes da heterossexualidade dominam o planeta. 
Mas como os genes da homossexualidade também parecem existir, é provável que sirvam ou tenham servido a algum valor reprodutivo ao longo da evolução”, diz o cientista inglês Qazi Rahman.
Talvez os animais possam dar a resposta. O biólogo americano Bruce Bagemihl analisou 450 espécies e constatou que elas não fazem sexo só para produzir filhotes. Mais de 70 tipos de aves e 30 de mamíferos “casam-se” com indivíduos do mesmo sexo. Muitas vezes, para ter prazer.
Para a bióloga Joan Roughgarden, a homossexualidade é um traço natural que mantém indivíduos unidos através do contato. Para ela, não há diferença entre jogadores de futebol que se tocam para funcionar melhor como equipe e duas pessoas que se acariciam intimamente. “Estamos muito preocupados com o contato genital, mas tudo não passa de intimidade física”, diz.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Até Onde Chega o Fanatismo Evangelico



Ontem tive um debate com dois fanáticos evangélicos comentando inicialmente o video da entrevista do Silas Malafaia para a Marilia Gabriela.
Eu tinha iniciado dizendo que nasci homossexual e que não posso fazer nada para mudar este fato. 

Pensava que era possível esclarecer um tema que cria muita confusão e desinformação.
Duas pessoas responderam a um meu comentário parecendo saber mais do assunto do que eu mesmo que vivo na pele a situação de homossexual desde que nasci.
Logo entendi que elas queriam criar uma discussão inútil e estéril partindo de suposições e teorias sem ligar minimamente para o que eu dizia.
Assim procurei evitá-las educadamente porque notei logo pelo tom das respostas que tínhamos pouco terreno sobre o qual debater.
O meu interesse é unicamente em falar a verdade, logo não tinha sentido falar com fanáticos que queriam impor suas opiniões a qualquer custo.
Todavia fui entendendo através de seus posts que esta era uma ótima ocasião para desmascarar o modo egoísta e frio de agir dos fanáticos evangélicos.
Aceitei o debate ao qual participou também um senhor que tinha me interpelado antes com o mesmo comportamento e com um vocabulário extremamente vulgar e ofensivo de modo que eu tinha me desvencilhado dele sem maiores problemas.
Fui extremamente sincero e procurei convencê-los, me expus completamente na tentativa de esclarecer que é necessário abandonar o preconceito para entender um tema que vem sendo manipulado por políticos e religiosos por vários séculos.

Com arrogância e prepotência usaram termos ofensivos e baratos para me desacreditar, se recusaram a aceitar o meu depoimento e usaram frases feitas para criar um clima de contraposição e ódio com muito cinismo e desumanidade. 
Disse que nasci gay, que não teria escolhido virar gay em uma sociedade como a brasileira. Disseram que é mentira, que a homossexualidade é um disturbo de personalidade, uma pouca vergonha e assim por diante! Foi uma discussão surreal em que ficou claro que eles não queriam saber a verdade, só queriam impor seus preconceitos.
Disseram entre outras coisas que ninguém nasce homossexual e que a homossexualidade é um vicio.
Me chamaram de burro e outras definições deste nível. 
Um deles chegou a me classificar de doente 
Após lerem os meus comentários sobre as leis de Jesus, dos 10 mandamentos e seus ensinamentos, que se eu quisesse convencer a sociedade não iria conseguir isso fazendo "futrica". Segundo eles a sociedade estaria tão cega pelas mentiras que ouvem todo dia não aceitariam a verdade nem que ela se apresentasse pelo nome à eles. 

Ficou claro que não tem nada que a gente possa dizer que lhes faça raciocinar, eles querem impor seus pontos de vista mesmo quanto isto não faz algum sentido.

Quando eles não têm o que responder, agridem verbalmente o seu interlocutor com expressões do tipo: "você fumou demais, você esta louco, vai cagar, enfim, expressões desrespeitosas, ofensivas e inúteis ao fim de esclarecer um ponto de vista.

Não ouvem o interlocutor e todas as afirmações feitas por mim que contradizem claramente o que eles afirmam e que eles não podem contestar são taxadas de mentiras, simples assim.


Segundoa bíblia Deus ungiu Davi para ser o rei de Israel mesmo tendo ele pego Jônatas por amante.

Davi amou a Deus intensamente, basta ler os Salmos que são belíssimas, profundas poesias que falam do seu amor por Deus!

Na Bíblia, no livro de Samuel está escrito:


"A alma de Jônatas ligou-se a de Davi e Jônatas amou-o como a sua própria alma"

"Davi lançou-se sobre o rosto de Jônatas e beijaram-se um ao outro e choraram ambos"

"Angustiado estou por ti Jônatas, disse Davi, muito querido por mim eras. Maravilhoso me era o teu amor, ultrapassando o amor das mulheres."

Alguns fanEaticos gostam de citar o livro de Levítico, deveriam porém ler o livro todo e aplicá-lo na íntegra. Inclusive a parte que fala dos injustos.

Jesus disse amai-vos uns aos outros como eu vos amei mas essas pessoas distilam ódio e incompreensão em nome desse mesmo Jesus

Veja este interessante video que fala da historia da homossexualidade.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

A Reencarnação divide opiniões


Este é um tema que divide muitas opiniões especialmente entre os cristãos.
Gostaria de simplificar o debate dizendo que creio que uma vida somente é muito curta diante da eternidade, logo a reencarnação é plausível, de um ponto de vista lógico, ou seja, uma pessoa não pode quiemar pra sempre no fogo do inferno por ter cometido um pecado durante a sua miserável e insignificante (em termos cósmicos) existência na terra.
A punição seria desproporcional e Deus sendo justo para aplicaria uma tal punição a seus filhos. 
Creio muito mais plausível que nós tenhamos que encarnar e reencarnar milhões de vezes antes de chegar face a face com Deus naquilo que os cristãos chamam de salvação e que os hindús chamam iluminação. 
Creio que a ressurreição seja o que o meu guru Paramhansa Yogananda chamava de Mahasamadhi, ou Grande Samadhi, o encontro com Deus, o abandono definitivo do corpo, ou seja, a passagem da morte para a vida, a iluminação final, a salvação deste mundo de horrores e ilusões, Maya, a total libertação de nosso karma
Entretanto para mim isso tem uma importância relativa visto que o meu objetivo é alcançar a libertação nesta vida (salvação), ou seja, não quero encarnar de novo. 
Para quem não acredita na reencarnação esta importância é igualmente mínima porque espera obter a salvação nesta vida, ou obter a vida eterna nos céus, logo a teoria da reencarnação não lhes toca de forma alguma.
As principais religiões se dividem sobre este tema mas no fundo o que importa mesmo é trabalhar para a completa iluminação da melhor maneira possível e se preparar para o encontro com Deus.

Entretanto a Bíblia tem algumas referencias à reencarnação que são ignoradas pelos cristãos. Leiam para melhores esclarecimentos, esses versículos a seguir: 
Marcos, capítulo VIII, versículos 27 e 28 e Mateus, capítulo XVI, versículos 13 e 14.

"Saiu Jesus para as aldeias de Cesaréia de Felipe, e no caminho interrogou os discípulos dizendo: Quem dizem os homens que sou eu: E eles responderam: João Batista, outros Elias, e outros Jeremias ou um dos profetas."

Fica bastante claro, neste trecho, repetido por dois evangelistas, como os judeus tinham clara a idéia do retorno pela reencarnação. De maneira nenhuma poderiam estar confundindo a pessoa física de Jesus com Jeremias. Elias ou qualquer dos profetas que tinham vivido há muitos séculos atrás. Os judeus estavam supondo que Jesus pudesse ser a reencarnação de algum dos profetas. É verdade que se torna claro nos versículos que o Mestre não era de fato algum desses profetas renascidos, mas também é incontestável a idéia da reencarnação presente na resposta dos apóstolos, como um conceito bastante conhecido dos mesmos.

No entanto, onde o Cristo daria o seu aval a esta crença? Teria ele também se manifestado favoravelmente a idéia do renascimento ? Nas passagens acima mencionadas, apenas se pode concluir que o conceito palingenésico foi citado de forma bastante natural pelos judeus, pois inclusive eram diversas as versões sobre de quem Cristo era a reencarnação, Elias, Jeremias etc.

Tomemos outra passagem dos mesmos evangelistas para analisarmos, desapaixonadamente, sem uma posição preconcebida e vejamos a extrema clareza com que a reencarnação é referida pelo Mestre Jesus.

Mateus capítulo XVII, versículo 10 a 13, e Marcos, capítulo IX, versículo 11 a 13 (após a transfiguração) . Seus discípulos o interrogaram desta forma: "Por que dizem os escribas ser preciso que volte antes o Elias? - Jesus respondeu:

"É verdade que Elias há de vir e restabelecer todas as coisas: "mas eu vos declaro que Elias já veio e eles não o conheceram e o trataram como lhes aprouve. É assim que farão com o filho do homem." - Então entenderam os discípulos que fora de João Batista que Ele falara.

A concepção de que João Batista era Elias reencarnado e de que os profetas podiam renascer na terra, encontramos em inúmeras passagens bíblicas além das acima referidas. Se esta concepção fosse equivocada e não concorde com os ensinamentos cristãos, o Mestre não teria deixado de a combater como procedeu em relação a inúmeros outros conceitos e tradições equivocadas dos judeus. Mas o que ocorreu não foi isto, Jesus se posicionou muito claramente a este respeito quando se referia a Elias, dizendo que ele já veio e eles não o conheceram. O versículo 13, completa: "Os discípulos entenderam que fora de João Batista que Ele falara", reforçando esta afirmativa.
Para quem é mais exigente, sugerimos ler atentamente Mateus no capítulo XI versículos 14 e 15 que não deixa qualquer dúvida a respeito. 
Vejamos: "E se quereis bem compreender, ele mesmo é o Elias que havia de vir (estava por vir, conforme a tradução). Quem tem ouvidos para ouvir, ouça! 
Evidentemente que os versículos anteriores se referem a João Batista conforme pode-se facilmente constatar na leitura. Se alguns outros textos podem ser interpretados no sentido místico, nesta passagem de Mateus não há equívoco possível: É ELE MESMO o Elias que há de vir. Não é possível não há como conceber alegoria ou figuração em afirmativa tão positiva. No que tange ao complemento: "aquele que tem ouvido de ouvir, ouça", consideramos como uma alusão a que nem todos estavam em condições de entender certas verdades. O versículo anterior (13) dizia: "Porque todos os profetas e a lei até João profetizaram". Seguindo-se então: "E se quereis bem compreender, ele mesmo é o Elias que há de vir". Desnecessário maiores comentários.   
Para os estudiosos do Velho Testamento em Isaías, capítulo XXVI, versículo 19 encontramos a passagem: "Aqueles do nosso povo, que fizestes morrer, viverão de novo". 
Se o profeta estivesse se referindo à vida espiritual ou seja, se estivesse querendo dizer que aqueles que fizeram morrer não deixaram de existir em espírito, teria dito: vivem ainda, e não viverão de novo. O verbo está no futuro, numa clara alusão a uma nova vida.

No sentido espiritual, estas palavras seriam absurdas, pois estariam transmitindo a idéia de uma interrupção na vida da alma. Viverão de novo significa, que embora não vivam materialmente agora, voltarão à vida física. Seria enfadonho repetirmos inúmeros textos e interpretações, mas consideramos os citados suficientes para servir de motivação à pesquisa sobre o assunto.
O livro de Malaquias - último livro e último capítulo do Velho Testamento - capítulo 4 e versículo 5 diz o seguinte: "Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor;"
(Algumas dessas referências bíblicas são estraídas do blog  Quero Saber a Verdade do  Dr. Ricardo Di Bernardi )
É interessante notar como na minha pesquisa no Google sobre o assunto, os dois primeiros sites mostrados afirmam que na Bíblia não tem nenhuma referência à reencarnação. 

O site Sua Escolha diz o seguinte: " Sua pergunta: “A Bíblia fala sobre reencarnação em algum lugar? Como podemos saber se esta é nossa única vida?”
Nossa resposta: A Bíblia nunca menciona reencarnação, mas na verdade prova o contrário…"
O site Chamada diz o seguinte:
"Na verdade, a não ser por meio de uma exegese forçada, não há na Bíblia qualquer referência direta ou indireta à reencarnação. 
Ao contrário, as Escrituras ensinam que, da mesma maneira como Jesus veio ao mundo uma só vez, também ao homem está ordenado morrer uma única vez: "E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo, assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação" (Hebreus 9.27). 
O sacrifício único de Jesus, ao morrer na cruz, é mais que suficiente para nos libertar dos pecados e nos conduzir a Deus: "Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus; morto, sim, na carne, mas vivificado no espírito" (1 Pedro 3.18).
Todo o ensinamento bíblico é no sentido de que só poderemos morrer uma única vez até o juízo final de Deus. 
Jesus não somente ressuscitou três dias após Sua morte, como também incluiu a ressurreição entre os Seus milagres (João 11.11-44). 
Diversas outras passagens da Bíblia demonstram a realidade da ressurreição (Daniel 12.2; Isaías 26.19; Oséias 6.2; 1 Coríntios 15.21-22; João 5.28-29; Atos 24.15; Apocalipse 20.6). 
Em todos esses textos, ressuscitar significa o retorno do espírito ao seu próprio corpo (ver também 1 Coríntios 15.12-22)."
Assim, a Bíblia oferece sustento para ambas interpretações.
Eu creio que o ciclo de vidas e mortes depende do karma que acumulamos durante as nossas milhares de vidas, que aprendemos com os nossos erros para evoluirmos espiritualmente e isso justifica os diferentes níveis de desenvolvimento espiritual entre as pessoas, as diferentes condições de nascimento, vida e morte na terra.
Mas esta é somente uma convicção pessoal, termino este artigo repetindo o que disse no início, desta vez, em outras palavras:
Busquemos em Deus a humildade, o amor, a simplicidade e o desapego às coisas terrenas, além de verdadeira sabedoria e intuição para sabermos como melhor agradá-lo para que possamos nos encontrar com Ele o mais breve possível.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

O Preconceito Contra os Homossexuais Desde tempos Imemoriais


Há uma passagem na Primeira Epístola aos Coríntios que gera controvérsias entre os religiosos e teólogos:
Cquote1.svg9 Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os malakoi, nem arsenokoitai, nem os idólatras, nem os adúlteros, 10 nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbedos, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. Cquote2.svg
— I Coríntios 6:9-10
Esta passagem em que  Paulo, para alertá-los de seus erros, lembra da lei judaica aos cristãos de Corinto, tem sido alvo de intensas discussões quanto a sua tradução. 
As palavras malakoi e arsenokoitai ao longo dos séculos têm sido traduzidas de forma bem distintas.
Quanto a palavra malakoi (que literalmente significa "mole", "macio") já houve versões bíblicas que a traduziram como "depravados", "pervertidos", "efeminados", "efebos", "meninos prostitutos" e algumas versões modernas chegaram até mesmo a falar em "homossexuais". 
Entretanto, até a Reforma no século XVI no Catolicismo pensava-se que tal palavra significasse "masturbadores". 
Sabe-se, porém, que para além de seu sentido literal de "mole" ou "macio", tal termo, quando usado para adjetivar pessoas, pode também ser entendido como "lasso", "irrefreável", "devasso" ou mesmo "efeminado".
E é a partir dessa última tradução que se tem entendido por parte dos religiosos tradicionais que, portanto, existiria no texto uma condenação aos homossexuais. 
Segundo essa concepção um homem lasso, promíscuo e efeminado só poderia se tratar de um homossexual.
Não obstante, há uma séria contra-argumentação a esse entendimento.
Uma grande, e hoje crescente, parte dos estudiosos tem questionado essa interpretação, mostrando que a palavra malakoi, mesmo quando traduzida como "efeminado" jamais pode ser entendida como uma referência a homossexuais. 
Para tal intento, mostram que tal tradução é ambígua uma vez que o termo "efeminado" filologicamente sempre significou, para além de "pusilânime", também "mulherengo", e é esse o sentido que a palavra original tinha nos tempos de Paulo - o que, de fato, é coerente com outras passagens bíblicas que condenam os promíscuos e devassos, como Apocalipse 21:8 e 22:15. 
Tais críticos lembram também que a palavra "efeminado" só adquiriu conotação de "homossexual" na Modernidade, de modo que inserir essa tradução nos escritos de Paulo seria um gritante anacronismo e algo profundamente descabido. 
No intuito de comprovar tal entendimento, acrescentam que até a era moderna, nunca, em nenhum texto, em nenhuma época sequer a palavra malakoi significou "homossexual" ou conceito semelhante, e desafiam a quem possa mostrar o contrário.
Já em relação à palavra arsenokoitai a controvérsia é ainda maior. Uma vez que ela, em um intervalo de três séculos, somente aparece em dois escritos de Paulo e, posteriormente nos Oráculos Proféticos (Sibylline Oracles) e em mais nenhuma outra literatura na história - e em ambos os casos a palavra se encontra dentro de uma lista, de modo que seu significado não poder ser alcançado a partir de um contexto - fica impossível determinar seu significado literal.
 Há, porém, um certo consenso de que esta palavra se trate de um neologismo criado por Paulo, que teria juntado as palavra sarsen, que significa "homem" e koiten, que significa "cama". 
Vale notar que para alguns religiosos - como os tradutores da NVI e A Bíblia na Linguagem de Hoje - tal dado já seria suficiente para levá-los a crer que tal palavra se referiria, sim, à "homossexual", uma vez que o pecado que um homem pode fazer na cama seria, em seus pontos de vista, quase certamente, um ato homossexual. 
Tal entendimento - acusado de simplista e homofóbico pelos liberais - com efeito, não pareceu dar conta de desvendar a palavra em questão para a maioria dos exegetas e acadêmicos. 
Você deve estar se perguntando porquê os líderes das igrejas, a começar pela Católica transformaram desta forma o significado original dessas palavras criando assim um preconceito tão grande contra os homossexuais.
Na verdade, o interesse principal das igrejas não é pregar o Evangelho de Jesus mas visam exclusivamente a se enriquecer e perpetuar seu poder ao longo dos séculos. A doutrina ou dogmas das igrejas são quase sempre mais importantes do que a verdadeira religião.
A historia é cheia de exemplos, não vou entrar nos particulares, o leitor seguramente conhece vários exemplos disso. 

Seria natural esperar que o cristianismo ensinasse os mandamentos de Jesus mas não é assim. 
Jesus não veio para julgar, ele veio salvar a humanidade, ele ensinou o amor, a tolerância, a caridade.
Os cristãos ao contrário incitam ao ódio, à violência, à intolerância. 

O interesse de alguns líderes é confundir, manter as massas de crentes envolvidas com pseudo problemas, lutando uns contra os outros para poderem agir imperturbados cobrando dízimos e ofertas para gastar com seus próprios luxos sem que os fiéis se interroguem se isso é justo ou não. 
Enquanto isso seus seguidores se perdem em maldades, injustiças e nas ilusões do mundo.
O mundo foi cegado pelas meias verdades, enganos e discrepâncias criadas para defender certos interesses escusos, muitasas pessoas não conseguiriam reconhecer a Verdade nem mesmo se ela aparecesse com escrito na testa VERDADE! Incrivelmente as pessoas preferem acreditar nas mentiras que lhes incutem medo do que na verdade. 
Grande parte da população é vítima de imensas manobras por parte dos poderes dominantes como o dos líderes religiosos e políticos, que tem como objetivo dirigir as mentes para uma ou outra direção com a finalidade de criar profitos econômicos e políticos para si mesmos. 
O publico vive distraído pelos programas de TV, pelas redes sociais, pelo trabalho, pelos falsos problemas criados pelos detentores do poder para que não pensem nas coisas que realmente contam.
Pessoas bem intencionadas e sinceras como os cristãos, falo dos verdadeiros cristãos, possam querer realmente discriminar e ofender os homossexuais.
É necessário uma profunda reflexão sobre a verdade, precisamos procurar a intuição do Espirito Santo invés de aceitar sem questionar o que nos vem sendo dito nos púlpitos.
Os ensinamentos de Cristo nos ensinam a amar! 
Os direitos dos homossexuais não diminuem os dos Heterossexuais. 
Qual seria então a razão para combater contra eles? 
Deus criou o universo com uma diversidade infinita. Vários climas, pessoas de varias cores, culturas, gostos; diferentes paisagens, para não falar em planetas, estrelas, etc.

Porque os fundamentalistas, sejam eles cristãos ou muçulmanos querem uniformizar as pessoas?
Talvez sonhem vencer  lá onde Hitler faliu? 
O fundamentalismo alimenta o ódio, a incompreensão, a intolerância, a ignorância. Nunca nos esqueçamos da tragédia da segunda guerra mundial motivada pelo sonho alucinado de Hitler de eliminar as diferenças entres os homens e criar uma raça superior.
Foi Deus que nos fez diferentes, só Ele sabe o porquê. A lei de Deus cria harmonia no universo, a dos homens cria restrições, laços, indicações de conduta para vivermos na sociedade sem que a transformemos em um caos. 

sábado, 18 de maio de 2013

A fé e o Fanatismo

Estou lendo um livro muito interessante de Swami Kriyananda, inspirado nos ensinamentos de nosso amado guru Paramhansa Yogananda intitulado As Revelações de Cristo o qual traça paralelos entre o Hinduísmo e o Cristianismo, ou melhor, entre o Sanaatan Dharma - a eterna, verdadeira, universal religião, conhecida desde tempos imemoráveis na Índia e os ensinamentos de Jesus.
É interessante notar como a Verdade é única e imutável; a mesma Verdade foi expressa em várias maneiras, em diferentes momentos da história da humanidade, por diversos Mestres, cada um nascido em um lugar diferente do outro, pertencente á uma cultura diversa da outra.
Entretanto a essência da mensagem sempre foi a mesma. Os profetas de todos os tempos e das várias tradições sempre tiveram as mesmas visões e intuições mas, apesar disso, cada religião tenta desde sempre se impôr sobre as outras reivindicando para si a iluminação de Deus, a perfeita comunhão com o Divino.
A mensagem subliminal que todos os Mestres divinamente iluminados deixaram é a mesma: o objetivo da existência humana é a autorealização, que quer dizer a libertação da ilusão de sermos separados de Deus, a não identificação com o ego, o superamento das ilusões de Maya ou Satanás e finalmente a união com Deus na eterna felicidade.
O desapego aos bens materiais e o superamento de todos os desejos é indispensável para uma perfeita comunhão com Deus.
 Cada Mestre disse isso de uma forma diferente dependendo do grau de iluminação dos povos na época em que vieram sobre a terra.
Jesus foi enviado como o Filho Unigênito de Deus enquanto possuidor da Consciência Crística, aquela manifestação de Deus que começou existir com a manifestação da Criação Cósmica e que é reabsorvida pelo Espírito no fim da Manifestação, chamada no Sanaatan Dharma como" Dia de Brahma".
Dura bilhões de anos para se dissolver de novo na Pralaya para seguir-se uma "Noite de Brahma".
Então é clara a mensagem, precisa abandonar o mundo e entrar em comunhão com Deus para conseguir a libertação final da corrente das reencarnações e unir-se de novo a Deus.
Os Mestres deixaram vários ensinamentos para nos ajudar no nosso percurso de retorno a Deus. Não posso entrar em detalhes aqui mas a Bíblia assim como a Baghavad Gita, o Corão e os outros livros sagrados estão cheios de ensinamentos preciosos sobre como desenvolver a humildade e diminuir o ego para se santificar. 
Presumindo que a maior parte dos meus leitores conheçam os mandamentos de Jesus não vou citar nem aqueles.  É claro para todo mundo que a verdadeira religião se baseia em princípios como a lei do karma ou do retorno, no amor sincero e desinteressado, na humildade, na caridade, na devoção, na honestidade, no amor sincero por Deus, no respeito pelo próximo e pelos compromissos assumidos, na justiça, na equidade e no desapego pelas coisas materiais.
Tudo isso para esclarecer a minha sinceridade ao tratar o tema de hoje.   Vocês já prestaram atenção a um fanático?
Sim, eu quero falar justamente de fanatismo hoje.
Este é um período histórico muito interessante que estamos vivendo; as pessoas estão prestes a se acordarem para uma nova realidade e o mundo conhecerá em breve uma grande transformação.   Nesta nova era mais iluminada as pessoas vão querer conhecer a Verdade sobre os temas importantes da vida humana e sobre a criação e dissolução do Universo.
 O cristianismo está atravessando uma profunda crise embora estatisticamente isso ainda não seja evidente. Ele perdeu a sua essência deixando de lado a sincera procura por Deus em prol de um pragmatismo estéril. A doutrina do novo cristianismo tem bem pouco a ver com os verdadeiros ensinamentos de Jesus.
 No entanto existe nesta nova era  um retorno à fé, a ciência sozinha não é mais
capaz de dar respostas satisfatórias, ao contrário, ela descobriu que tudo no universo é energia em suas multiplas manifestações, praticamente a confirmar os ensinamentos dos sábios de cada época segundo os quais a matéria é pura ilusão, que a única realidade é Deus.
As
pessoas procuram as igrejas á procura de uma real experiência de Deus sem todavia encontrar uma profunda confirmação da crença que elas desejam transformar em fé.
 A Igreja Católica historicamente vem calando os santos que se pronunciam contra os seus dogmas os quais são sabidamente em contraste com os ensinamentos de JESUS.
As igrejas evangélicas brotam como fungos por toda parte com o intento de angariar dinheiro e basta.
As poucas congregações sinceras que sobraram têm pouca coragem de ir contra uma cultura estabelecida há séculos e gritar a verdade escrita nas escrituras. É provável também que as massas não estejam prontas para a Verdade.
Onde está a verdadeira religião?
Retorno á minha pergunta de antes, vocês já prestaram atenção nos fanáticos?
Eles têm um olhar meio lunático, falam somente das paranóias deles, não dão margem para réplicas, falam alto e gesticulam muito.
Normalmente não aceitam opiniões
Adicionar legenda
contrárias e não se perturbam por serem injustos.
Nunca são objetivos.
Pensam que a vida alheia seja de interesse deles e interpretam a palavra de Deus segundo a conveniência deles.
Onde fica o amor cristão para estas pessoas? E a tão amada por Deus, a humildade?
Quero contar um episódio que me faz pensar bastante.
Uma vez estávamos em uma casa de campo para um culto de adoração. Éramos uns vinte e como de norma naquela congregação, no momento da palavra divinamente revelada fazemos uma oração para que Deus mande um ponto da Bíblia para ser lido e interpretado profeticamente.
Um orador se levantou, inspirado por Deus e leu o texto que lhe se tinha revelado: Mateus 17:10-13. Creio que os versículos tenham sidos exatamente esses, embora não seja seguro que fossem só estes.   Neste trecho da Bíblia Jesus fala com os seus discípulos sobre a reencarnação mas sendo esta uma doutrina negada pelo cristianismo moderno, o pregador se viu enormemente constrangido e ignorou o texto lido para explanar sobre outros temas antes de concluir o sermão com extremo embaraço.
 Naquela ocasião ficou claro que a Verdade para eles é secundária em relação á doutrina.
Existem outras referências á reencarnação na Bíblia, por exemplo em Mateus 16:13-20. O que eu quero dizer é que as igrejas pregam somente o que lhes interessam,não têm um profundo compromisso com a Verdade. 
Nestes dias em que se fala muito em
casamento gay, se ouve também rumores de um enorme grupo de fanáticos sem um mínimo de bom senso que ameaçam manifestações em Brasília contra uma resolução do Supremo Tribunal Federal. Como se a liberdade dos outros diminuisse a deles. Como se a igualdade dos cidadãos lhes ofendesse.
Onde está o espírito cristão nisso tudo?  Não seria melhor se esses pervertidos se dedicassem ás orações, as meditações e á obras de caridade invés de disturbar a quiete pública para reivindicar a Abolição de um Direito que uma minoria adquiriu depois de séculos de humiliações e injustiças. O termo" pervertidos" aqui se coloca porquê é uma aberração se ofender pela justiça feita aos outros sem que se perca nada com isso.
 A vocês o juízo.

Deus com certeza, na sua justiça e magnanimitude se pronunciará em seguida.
Para quem quiser aprofundar sobre a relação homossexualidade e religião leia o meu post neste blog: http://www.estarbem.biz/2013/03/a-homofobia-e-religiao.html



terça-feira, 14 de maio de 2013

Mastectomia de Angelina Jolie

Angelina Jolie Aos 37 anos
fez uma escolha ao pensar nos seus seis filhos. E diz tê-la feito para que não tivessem de passar pelo mesmo que ela passou - ver a mãe morrer demasiado nova. “A minha mãe lutou contra o câncer
durante quase uma década e morreu aos 56. Aguentou o suficiente para conhecer os primeiros dos seus netos e para lhes pegar no colo. Mas os meus outros filhos nunca terão a oportunidade de conhecê-la e de sentir quão amável e graciosa ela era.”
A atriz norte-americana escreveu um artigo de opinião que foi publicado nesta terça-feira no The New York Times em que explica por que razão decidiu fazer uma dupla mastectomia preventiva (cirurgia em que se removem as duas mamas) depois de descobrir, através de uma série de exames médicos, que era portadora de um gene “defeituoso” (nas palavras da actriz), o BRCA1, e que por causa dele tinha forte probabilidade de vir a desenvolver câncer da mama (87%) e dos ovários (50%). No texto que chamou My medical choice (A minha escolha médica), a atriz que conhecemos como Lara Croft e que protagonizou filmes como A Troca (de Clint Eastwood) e O Turista (Florian Henckel von Donnersmarck), tendo recebido um Óscar de Melhor Atriz Coadjuvante pelo filme Vida Interrompida (1999), não economiza pormenores. Fala das várias cirurgias, desde a primeira, que aumentou a probabilidade de vir a salvar os mamilos, à terceira e última, em que fez a reconstituição mamária, admitindo que sentiu dores ao longo do processo e que a maior das intervenções lhe pareceu uma cena saída de um filme de ficção científica. “Quis escrever para dizer a outras mulheres que a decisão de fazer uma mastectomia não foi fácil. Mas estou muito feliz por tê-la tomado. As minhas probabilidades de vir a desenvolver câncer da mama desceram de 87% para menos de 5%.
 Posso dizer aos meus filhos que não precisam de ter medo de me perder para o câncer da mama.” Me 27 de Abril terminou três meses de procedimentos cirúrgicos relacionados com a mastectomia, mantidos em privado e sempre com Brad Pitt ao seu lado, diz.
Agora, a atriz resolveu tornar pública a decisão na esperança de ajudar outras mulheres, fazendo com que beneficiem da sua própria experiência. “Câncer é ainda uma palavra que planta medo no coração das pessoas, produzindo uma profunda sensação de impotência. Mas hoje é possível descobrir, através de uma análise de sangue, se somos altamente susceptíveis ao câncer de mama e dos ovários e então tomar uma atitude.” Angelina Jolie é uma das estrelas globais de Hollywood, tão famosa pelos seus filmes como pelo seu casamento com o também ator Brad Pitt
e o seu trabalho em causas humanitárias. Enviada especial das Nações Unidas, a atriz não parou de trabalhar durante todo o processo que culminou com a reconstituição mamária, chegando mesmo a acompanhar o ministro do exterior britânico  William Hague, numa visita à República Democrática do Congo – e assistiu ào meeting dos mais altos responsáveis diplomáticos do G8 em Londres – para chamar a atenção para a violência sexual em cenários de conflito.
No mesmo período, Jolie ajudou ainda a lançar um fundo para a educação das mulheres no Paquistão, promovido pela jovem ativista dos direitos humanos Malala Yousafzai, que foi baleada pelos talibans em Outubro e corre risco de vida. “Não me sinto menos mulher”, escreveu, antecipando perguntas de eventuais leitores que a vêem como um símbolo sexual, como uma atriz que alicerçou boa parte da sua carreira no cinema de ação no fato de ser uma mulher bonita com um corpo invejável (pense-se na Lara Croft de Tomb Raider e na Mrs. Smith de Mr. and Mrs. Smith, filme que co-protagonizou com Brad Pitt). “Sinto-me mais poderosa porque fui capaz de fazer uma escolha forte que de forma alguma diminui a minha feminilidade.” Citando números da Organização Mundial de Saúde – o câncer da mama mata quase meio milhão de pessoas por ano em todo o mundo -, Jolie chama ainda a atenção para o fato de os custos elevados dos testes genéticos deixarem muitas mulheres sem saberem se vivem, ou não, “sob a sombra do câncer” (nos Estados Unidos custam 3000 dólares, cerca de 6000,00 reais.
 “Quero encorajar todas as mulheres, sobretudo se têm um historico de câncer de mama ou dos ovários na família, a procurar informação e médicos capazes de  acompanhá-las neste momento de suas vidas, e a fazer escolhas informadas.”
A atriz dedicou também algumas linhas para agradecer ao marido o apoio constante e pelos momentos em que foram capazes de rir juntos, apesar de tudo. “Sabíamos que esta era a coisa certa a fazer pela nossa família
e que nos aproximaria ainda mais. E assim foi.” Jolie quis apenas assegurar-se de que os filhos, que tantas vezes lhe perguntaram se ela também ia morrer com câncer como a avó, não ficariam desconfortáveis com os efeitos das cirurgias: “Eles podem ver as pequenas cicatrizes e é só. Todi o resto é só a mãe,  tal e qual como ela sempre foi. E sabem que os amo e que farei de tudo para estar com eles o máximo de tempo possível.”

segunda-feira, 6 de maio de 2013

A Parábola do Passarinho

Um passarinho voou pelo mundo afora      (per la versione italiana scrollare la pagina )

"Seja forte e sábio",
 lhe disseram seus pais. "E o que você aprender compartilha com todo mundo assim como nós compartilhamos com você. Porque você é uma parte de tudo o que existe.
 " Assim também deixamos-lhe, Senhor, uma eternidade atrás. A nossa era uma missão sagrada. Nós tínhamos recebido a missão de aprender grandes lições de vida, de frutificar Teus presentes para expandir e multiplicar.
Infelizmente, nós abandonamos a nossa missão. Em vez disso, temos acumulado egoisticamente. Mesmo quando, repetidamente, perdemos tudo, não nos tornamos sábios.
O jovem pássaro em vôo, pela primeira vez,
vangloriou-se de sua nova força. Ele começou a pensar: "Que tolo eu seria a partilhar a minha força com os outros! O que é a sabedoria, se não pegar o que é meu, só para mim? ".
 Assim somos nós, como o pássaro; que entrou na segunda etapa da viagem chamada "A Revolta".
Esse curto dia do pássaro durou milênios no tempo humano.
Quando chegou a noite, ele entrou em uma nuvem de tempestade, e logo encontrou-se lutando por sua vida.
O vento e a chuva batiam nas suas asas. Quanto mais ele debatia , mais ele se tornava frágil.
 "Abandone-se em meus braços", gritou o vento. "À sua força, eu posso adicionar a minha."

Sem escolha, o pássaro aceitou o seu conselho e, de repente, ele se viu pairando alegremente acima das nuvens.
 As horas passavam, a noite caía.
O pássaro estava assustado: "Como eu posso voar", ele disse, "nesta escuridão?
E a noite ele sussurrou: "Não temas, porque eis que a paz espera por você no desconhecido! Abandona-te a mim, e sua força será renovada. "
Depois de um tempo 'o pequeno rebelde se rendeu, e descobriu que a noite estava certa. A chuva e o céu e as planícies verdes, todos cantaram:
"Olha, a força de voar
nunca foi sua! Volte-se para a fonte de todo o poder, se você quiser vencer o medo e a fraqueza.
" O pássaro perguntou, "Onde posso encontrar essa fonte?»
Eles disseram: "Busque no seu mais
profundo ser, em seu próprio eu."
Assim, aos poucos, ele entrou na terceira fase de sua jornada, denominada "Investigação".
Nós, agora, como o pássaro, percebemos que os ventos são a maneira que a vida tem para nos dar força e coragem; que até mesmo o medo, como sombras em uma estátua, dá luz e substância à esperança. Das profundezas da nossa ignorância, Senhor, imploramos a Tua ajuda: não existe uma razão profunda para as nossas vidas? Aqui, tudo o que nós pensávamos que era luz não era mais que escuridão!
 Quem somos nós, realmente?
Para que finalidade fomos criados?
Como sempre, repetidamente, por meio de seus filhos iluminados, a resposta é:
A criação das estrelas, das luas, dos planetas, das galáxias que giram nas marés do espaço, dos continentes em movimento, das altas montanhas de neve eterna e das profundezas escuras e silenciosas dos oceanos, Ele tinha um único propósito: o
nascimento da vida, e com esse nascimento , o crescimento da auto-consciência: uma passagem pelos corredores escuros da consciência para emergir no final na Luz Infinita, na perfeita alegria!
Swami Kriyananda para ba Cerimônia Dominical da Luz.

Versione in italiano

La parábola dell'uccellino


Un uccellino volò fuori nel mondo.
«Diventa forte e saggio» gli dissero i suoi genitori. «E quello che impari condividilo con tutti, così come noi lo abbiamo condiviso con te. Perché tu sei una parte di tutto ciò che esiste».
Così Ti abbiamo lasciato, Signore, eternità addietro. La nostra era una missione santa. Ci avevi dato il compito di imparare grandi lezioni dalla vita, fruttificando i Tuoi doni per espanderli e moltiplicarli. Purtroppo, abbiamo abbandonato la nostra missione. Invece, abbiamo accumulato egoisticamente. Anche quando, ripetutamente, abbiamo perso tutto, non siamo diventati saggi.
ll giovane uccellino, in volo per la prima volta, si gloriò della sua nuova forza. Cominciò a pensare: «Come sarei sciocco a condividere la mia forza con gli altri! Che cos’è la saggezza, se non tenere ciò che è mio solo per me stesso?».
Così noi, come quell’uccellino, siamo entrati nella seconda fase del viaggio, chiamata: “La rivolta”.
Quel breve giorno dell’uccellino durò degli eoni in tempo umano. Quando venne il pomeriggio, egli entrò in una nuvola tempestosa e ben presto si trovò a lottare per la propria vita. Vento e pioggia colpivano le sue ali. Più egli batteva le ali, più diveniva debole. «Abbandonati nelle mie braccia!» urlò il vento. «Alla tua forza, potrò allora aggiungere la mia».
Alla fine l’uccellino seguì il suo consiglio e, di colpo, si trovò a volteggiare gioiosamente al di sopra per emergere alla fine nella Luce infinita, nella gioia perfetta delle nubi.
 Le ore passarono; si fece notte. L’uccellino s’impaurì. «Come posso volare» esclamò «in questa oscurità?». E la notte sussurrò: «Non temere, poiché, ecco, la pace ti attende nell’ignoto! Abbandonati a me e le tue forze saranno rinnovate».
 Dopo un po’ il piccolo ribelle si abbandonò, e scoprì che il consiglio della notte era giusto. E la pioggia ed il cielo e le verdi pianure, tutti cantarono: «Guarda, la forza di volare non è mai stata tua! Rivolgiti alla sorgente di ogni potere, se vuoi vincere la paura e la debolezza».
L’uccellino chiese: «Dove posso trovare questa sorgente?». Ed essi risposero: «Cercala nelle più vaste profondità dell’Essere, nel tuo stesso Sé». Così, gradualmente, egli entrò nella terza fase del suo viaggio, chiamata: “La ricerca”.
 Noi, ora, come quell’uccellino, abbiamo realizzato che i venti contrari sono il modo che ha la vita di darci forza e coraggio; che perfino la paura, come ombre su una statua, dà luce e sostanza alla speranza.
 Dalle profondità della nostra ignoranza, Signore, imploriamo il Tuo aiuto: non c’è alcuno scopo profondo nella nostra vita? Ecco, tutto quel che credevamo luce non era che oscurità!
Chi siamo noi, in realtà?
Per quale fine siamo stati creati?
 Da sempre, ripetutamente, attraverso i Tuoi figli risvegliati, viene la risposta:
La creazione delle stelle, delle lune, dei pianeti, delle galassie che ruotano nelle maree dello spazio, dei continenti in movimento, delle alte montagne, delle nevi eterne e delle oscure, silenziose profondità degli oceani, aveva solo uno scopo: la nascita della vita; e con questa nascita, la crescita dell’autoconsapevolezza: un passaggio attraverso gli oscuri corridoi della coscienza.
Swami Kriyananda per la cerimonia domenicale della Luce