Pesquisar este blog

sábado, 6 de abril de 2013

Porque consideramos a Biblia como sendo a Palavra de Deus?

Alguém chamou a minha atenção outro dia curtindo uma pagina do Facebook entitulada a Bíblia. Li o texto que
acompanhava o post e pude verificar que o tema è bastante complexo e vale a pena refletir a respeito por um momento.
As informações que temos a propósito de quando a biblia foi escrita são muito discordantes e mesmo determinar quantos são os seus livros é bastante difícil visto que há diferentes bíblias cristãs. O número de livros 
depende da tradição a qual uma versão se apóia. 
Para os católicos a Bíblia é composta de 73 livros, sendo 46 do Antigo Testamento e 27 do Novo. A Bíblia dos protestantes tem apenas 66 livros: 39 do Antigo e 27 do Novo Testamento. O novo testamento, os livros que foram escritos a partir de Cristo, é igual em todas as bíblias. A diferença se encontra nos livros do Antigo Testamento, os textos escritos antes do nascimento de Cristo.
Do Antigo Testamento, a bíblia dos protestantes exclui 7 livros, os assim chamados “deuterocanônicos” (denominados "apócrifos" pelos protestantes): Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico (ou Sirácides), Baruque, I Macabeus e II Macabeus, e alguns trechos nos livros de Ester e de Daniel. Esses livros originalmente foram escritos em grego e, baseados numa decisão tomada no período da igreja nascente (final do primeiro século), não foram incluídos na lista dos livros considerados inspirados pelos judeus. Os cristãos, todavia, usavam tais escritos. Provavelmente por isso a comunidade hebraica, que precisava criar uma identidade autônoma dos cristãos, decidiu excluí-los do seu cânon. Os cristãos durante 1500 anos usaram os 73 livros. Porém, por ocasião da Reforma promovida por Lutero, esses livros foram considerados pelos protestantes como não inspirados (Lutero não os retirou da edição de sua Bíblia, embora não equiparesse o seu valor ao dos outros livros). Mais tarde as edições protestantes da Bíblia excluíram definitivamente esses textos, enquanto que para a igreja católica eles continuam válidos e tem o valor de palavra inspirada.
Entre as igrejas cristãs ortodoxas há outras versões da Bíblia que além dos livros citados incluem outros dois livros de Esdras, outros dois dos Macabeus, a Oração de Manassés, e alguns capítulos a mais no final do livro dos Salmos (um nas Bíblias das igrejas de tradição grega, cóptica, eslava e bizantina, e cinco nas Bíblias das igrejas de tradição siríaca).

Aqui começam as duvidas para um pesquisador sério. 
Se existem várias versões, qual delas corresponde àquela realmente inspirada por Deus?
Os evangelhos que estão na Bíblia fazem parte de um conjunto muito maior de evangelhos. Foram selecionados no primeiro concílio da Igreja Católica, o CONCÍLIO DE NICÉIA convocado pelo primeiro imperador católico Constantino que adotou o Cristianismo, uma doutrina que se propagava no mundo ROMANO dominado por volta do ano 300dc. Foi na verdade uma ação que teve fundo mais político do que realmente devocional. Até então os cristãos eram perseguidos e jogados aos Leões.
 
Quais foram na verdade as tramas e os acontecimentos que envolveram esses fatos, e qual a autoridade que tinha a igreja católica para proclamar os livros escolhidos da Bíblia como os que realmente eram verdadeiros?

Os primitivos cristãos ou seja aqueles que eram perseguidos não tinham essa Bíblia compilada pelos CATÓLICOS. Tinham sim um conjunto muito maior que até hoje está nos porões do VATICANO, mas cujas cópias circulam por todo o mundo. Encerram narrativas que mostram episódios da infância de Jesus, e visões proféticas e apocalípticas, bem como os do velho testamento que narram episódios da vida dos Judeus.
 A primeira tradução latina da Bíblia foi a Vetus Latina, baseada na Septuaginta, e, portanto, contendo livros não incluídos na Bíblia hebraica.O Papa Dâmaso I montaria a primeira lista de livros da Bíblia, no Concílio de Roma em 382 d.C. Ele pediu a São Jerónimo que produzisse um texto confiável e consistente, traduzindo os textos originais em grego e hebraico para o latim. Esta tradução ficou conhecida como a Bíblia Vulgata Latina, antes disso havia grande confusão e divergência sobre os textos bíblicos a serem aceitos pelos cristãos e, em 1546, o Concílio de Trento a declarou como a única Bíblia autêntica e oficial no rito latino da Igreja Católica.
Eu sei que o assunto está ficando longo mas já chego lá.

Em 1945, um pastor encontrou um jarro de cerâmica numa gruta próxima a sua aldeia no Egito. Ao abri-lo,
achou vários livros escritos em idiomas que ele não compreendia. Algumas folhas amareladas serviram para alimentar o forno a lenha de sua casa. As restantes caíram nas mãos de um religioso local, circularam no mercado de antiguidades e foram resgatadas por um funcionário do governo egípcio. Mais tarde, descobriu-se que a “lenha” era um tesouro de valor incalculável: a coleção de Nag Hammadi, 13 livros com 1 600 anos e histórias que a Igreja tentou abafar durante todo esse tempo. Mas não conseguiu. Depois de sobreviver ao tempo e à censura religiosa, o achado tornou-se o maior e mais importante acervo de evangelhos apócrifos, literatura que tem ajudado a elucidar vários mistérios sobre as origens do cristianismo.

Tesouro dos primeiros cristãos

A maioria dos escritos de Nag Hammadi foi produzida entre os séculos 1 e 3 e seus autores faziam parte das primeiras comunidades cristãs. Nesse acervo, é possível conhecer livros que ficaram de fora do Novo Testamento, como evangelhos de Tomé e Tiago. O interessante desses relatos é que destoam bastante do que aparece na Bíblia. Neles, Jesus tem um lado humano, Madalena é uma grande líder, Deus é um princípio masculino e feminino... Diferenças polêmicas que deixam claro por que os apócrifos sempre foram uma pedra no sapato da Igreja. “Eles representavam outro cristianismo, não oficial, marginalizado”, explica o padre e teólogo Luigi Schiavo, professor do Departamento de Ciências da Religião de uma famosa Universidade Católica. “Eles têm grande valor histórico e religioso porque mostram novas interpretações sobre a figura de Jesus na origem do cristianismo”, enfatiza o especialista.
Com tudo isso precisamos então reconhecer que um verdadeiro valor histórico a
Biblia não tem.

Isto todavia não há alguma importância no que tange ao fato de ser ou menos a Palavra de Deus.
Livros religiosos normalmente tem pouco compromisso com a história.
Outros livros também são considerados sagrados como os livros das religiões elencadas abaixo:
Como è possível então que todos tenham razão ao mesmo tempo?
È claro que se por milênios todos estes povos acreditam nos seus próprios livros sagrados è porque eles têm sentido a Palavra de Deus através da leitura dos mesmos. 
Todos sabemos que a leitura da Bíblia sem inspiração Divina não quer dizer nada mas se a lermos com a Guia de Deus encontramos luz, paz, conforto e respostas para todas as nossas perguntas. E tem mais, podemos ler um livro diversas vezes e teremos sempre uma inspiração diferente a cada vez.
Creio que o mesmo seja verdade para todos os religiosos.
A Bhagavat Gita, um trecho do Mahabbarata, me dá a mesma sensação. Foi o único que li além da Bíblia.
Você já esteve em algum lugar considerado sagrado por alguma religião? Quem esteve em Jerusalém mesmo não sendo religioso sustenta que ali tem uma energia diferente. Precisamos lembrar que Jerusalém é considerada Sagrada por três diferentes religiões.
Outros santuários  espalhados pelo mundo nos  dão a sensação de estarmos mais  perto de Deus. Neles a gente sente uma emoção muito forte, em alguns casos foram relatados milagres nestes lugares. Só para citar alguns: Fátima em Portugal, Lourdes na França, Medjugore na Croácia, os Himalaias, O Caminho de Santiago de Campostela na Espanha e assim por diante, atraem a cada ano milhões de peregrinos em busca de um milagre ou pagando  promessas.
Em Ananda, Assis, sinto uma paz que me invade o coração e eu mesmo já fui testemunha de alguns milagres
que me aconteceram là.
Muitos sabem que o fato de milhares, as vezes milhões de pessoas orarem ou meditarem em um lugar buscando a presença Divina transforma as vibrações daquele lugar transformando-o em um lugar mais fácil para se conectar com Deus. Milhares de Santuários são assim gremidos de pessoas a cada ano na busca de uma contato mais intimo com o Pai Celestial. 
As igrejas são um exemplo disto. Se um grupo de fiéis buscam sempre a presença Divina em uma igreja, será sempre fácil sentir a Sua presença lá dentro.
O mesmo principio movimenta as energias em torno da Bíblia. 
Ela poderia ser um outro livro qualquer mas se nòs crermos que Deus se manifestará a nós através dela, Ele por amor, o faz.
Não depende se o homem adulterou, falsificou, mudou as verdades ali escritas. Deus se manifesta por Amor a quem o busca. E fala diretamente ao coração de cada um mesmo que sejam em milhares a buscar a mesma Palavra.
Se você encontrou alegria e paz na leitura Divinamente Inspirada da Bíblia continue fazendo assim. È sinal que Deus te ouve e quer o seu amor, a sua devoção..
Se você está acostumado a encontrar Deus em outras leituras ou em outras práticas, faça-o ainda mais. 
Em todo caso lembre-se de ser sincero com Ele. Ele conhece o seu coração e te recompensará pela tua devoção.
Agora se a Verdade te interessa além da fé alicerçada em Deus, peça
 a Ele. Ele te revela o que você quiser, basta que você seja honesto com Ele.
Alguém pouco tempo atrás me disse que Deus não fala aos homens diretamente porque deixou as suas palavras escritas na Bíblia. Eu lhe perguntei então o que seria dos bilhões de seres humanos criados por Deus que têm outra religião e não conhecem a Bíblia.
Ele teve a coragem de afirmar que serão todos perdidos para sempre.
Devo dizer que aquele senhor passou a vida estudando Teologia e se considera um interlocutor entre Deus e as pessoas. Se as pessoas começassem a falar diretamente com Deus o seu ministério não teria mais valor.
Estejam atentos a pessoas que pensam mais em si próprios que na salvação das almas deles mesmos e dos outros.
O ego é a única coisa que nos separa de Deus.
Deus è um espirito infinito e tudo que vem de Deus é sutil, doce, suave e difere do ego e da vaidade.
Quanto mais alimentamos o ego mais nos distanciamos de Deus.
Ofereça sempre a Deus os frutos da sua ação em modo que toda honra e toda gloria sejam dadas a Ele.
Confie Nele. Se você falar com Ele nas suas orações Ele te ouve e depois fala com você durante a meditação.
A Bíblia em sua maior parte foi resolvida, reescrita, elaborada e traduzida na época da Idade Média quando o terror imperava.
Os reis, imperadores e papas governavam através do terror. Pessoas com capacidades especiais como 
Giordano Bruno ou Joanna D`Arc, só para citar os mais conhecidos foram queimados porque eram incômodos para a igreja Catòlica.
È possível que boa parte da Bíblia tenha sido escrita para terrorizar as pessoas invès de convertè-las pelo amor.
Sabemos que naquela época as pessoas eram acostumadas com as violencias, a escravidão e outras barbáries logo este método poderia até funcionar naquela época mas hoje que temos a graça de sermos iluminados por Deus e pelo Espirito Santo que nos deu a oportunidade de estudar, interrogar, duvidar, a tècnica da verdade nua e crua funciona muito melhor.
Ainda hoje países poderosos usam a técnica do terrror para impor suas politicas, para justificar uma guerra ou para invadir um país com o objetivo de assaltà-lo de suas reservas naturais. Logo fazem uso do medo para convencer a opinião pública de  que não existem alternativas.
Todavia tem sempre uma alternativa e pode parecer simplicista mas na verdade a alternativa è Deus, sempre Deus.
Peça a Ele para te dar intuição para que você possa fazer a coisa justa e use a tua consciência, que é Deus em você, para tomar as tuas decisões.
Invés de se perder em detalhes quotidianos, pense que Deus é infinito e você é um pedacinho dele, portanto muito mais do parece ser.