Pesquisar este blog

quarta-feira, 27 de março de 2013

Uma possível cura para o câncer

A partir da natureza, o desenvolvimento de uma classe de moléculas para a luta contra o câncer.
 Vieri Fusi e Mirco Fanelli são pesquisadores que deram seus nomes à patente 
22 de março de 2013 |
 Artigo original de Anuska de Pambianchi 
Postado em Início Uniurb, Inovação, Slider

 Dois estudiosos da Universidade de Urbino individuaram no "maltol", uma substância natural contida no malte, na chicória, no coco, no café, e em muitos outros produtos naturais, a capacidade de utiliza-lo para o desenvolvimento de uma nova classe de moléculas com actividade antineoplásica forte .  
A descoberta representa um avanço significativo na busca de novas estratégias terapêuticas contra o câncer, de modo a obter a patente nacional na espera de obter também a internacional.
 Pela Lei de invenções e da Convenção sobre a Concessão de Patentes Europeias (CPE), todas as patentes que dizem respeito a um composto químico devem possuir novidade, originalidade e aplicabilidade industrial.
 Este trabalho é o resultado de uma sinergia multidisciplinar entre os dois grupos de pesquisa do Dr. Mirco Fanelli de extração puramente biomédica e outro do prof. Vieri Fusi, tipicamente químico, ligados pelo desejo de explorar e progredir na pesquisa científica e no aumento da bagagem cultural.
 Prof Vieri Fusi e dr. Mirco Fanelli
 A equipe de investigação liderada pelo Dr. Mirco Fanelli, com base em Fano ( Provincia de Pesaro-Urbino, costa Adriatica, Italia n.d.t.), no Centro de Biotecnologia, está empenhada em estudar o papel de alterações epigenéticas no desenvolvimento do câncer e, recentemente, desenvolveu uma técnica inovadora chamada PAT-chip que tem como objetivo estudar o epigenoma diretamente em amostras de derivados de pacientes e preservados em parafina (FFPE). 
O grupo do Prof Vieri Fusi, tem sempre se ocupado de reconhecimento molecular, do desenvolvimento de receptores sintéticos e metais receptores e aspectos termodinâmicos que guiam o reconhecimento entre duas espécies químicas. 
Deve-se ressaltar que, apesar do progresso nas áreas de diagnósticoser cada vez mais precoce (idade)  das abordagens cirúrgicas / terapêuticas o câncer é uma das principais causas de morte nos países industrializados.
 Muitos objetivos foram alcançados ao longo das últimas duas décadas na abordagem a esta doença, e a pesquisa científica nos deu a oportunidade de desenvolver uma série de protocolos de tratamento que fizeram tanto reduzir a mortalidade por câncer anteriormente considerados incuráveis, quanto de aumentar a expectativa de vida de muitos pacientes.
 No entanto, precisamente por causa da sua extraordinária complexidade, não foi ainda desenvolvida a arma necessária para tratar determinados tipos de canceres particularmente agressivos e os tumores que se desenvolvem como resultado de tratamentos terapêuticos (as chamadas recaídas).
 "Nos últimos anos - explicam Vieri Fusi e Mirco Fanelli - a pesquisa no campo oncológico está abordando  a questão através de uma estratégia dupla: por um lado, tentando entender as peculiaridades da base molecular da doença e para o fato de tentar desenvolver novas moléculas como drogas potenciais (a descoberta da droga).  
As duas abordagens não significam necessariamente que navegamos em duas faixas diferentes, e é justamente a descoberta dos mecanismos moleculares alterados em células neoplásicas que formam a base para o desenvolvimento de novas moléculas destinadas a corrigir as alterações ". 
"O problema, nos explicam Mirco Fanelli e Fusi Vieri, deve necessariamente, ser tratado seguindo um processo que conduz, a partir da observação macroscópica do problema, a análise do processo molecular tanto do ponto de vista antipatogenetico quanto na realização da droga e / ou na tomada de contra medidas terapêuticas ". 
Daí o nascimento de uma sinergia que aborda o problema nestes aspectos.
 O que é isso?


Fusi Vieri: 

O maltol "por si só" é uma molécula inofensiva, por vezes usada como um aditivo alimentar devido ao seu aroma e as suas propriedades antioxidantes, mas - se adequadamente modificada - pode dar origem a novas moléculas com interessantes propriedades biológicas. 
 Duas moléculas representativas desta classe de compostos têm sido ja´ sintetizadas e caracterizadas  nas suas capacidades de induzir alterações na cromatina e portanto, de levar as células de resposta em termos biológicos. 
Esta classe de compostos é caracterizada por interessantes propriedades químicas / físicas que os tornam capazes de alcançar tanto o interior da célula, quanto de desempenhar as suas funções no núcleo onde reside o nosso genoma (e, portanto, a cromatina).
 Mirco Fanelli: 
Imediatamente  monitorizamos como alguns modelos neoplásicos (em culturas de células in vitro) foram sensíveis ao tratamento com as duas moléculas (chamadas Malten e maltonis): as células, em resposta aos tratamentos, primeiro alteram a sua capacidade de se replicar e, subsequentemente induzem a um importante processo biológico que conduz a um suicídio real (chamado de morte celular programada). 
O que é ainda mais interessante é que a administração de duas novas moléculas altera grandemente a expressão do gene com a função de uma resposta, a fim de eliminar as modificações que ambos os micro maltonis e Malten são capazes de induzir no interior da célula. 
Bem como sobre a patente, os estudos realizados até agora têm sido muito bem sucedidos e foram publicados em revistas científicas excelentes (British Journal of Cancer, Journal of Organic Chemistry), fornecendo a base para futuros estudos em modelos de tumor in vivo. 
Vieri Fusi: 
Infelizmente, não podemos divulgar os detalhes destes ultimos, uma vez que ainda estão em processo de submissão para publicação e também envolvem outras instalações científicas.  
No entanto, pode-se antecipar que estes compostos parecem serem tolerados in vivo (o que não é evidente) e têm mostrado interessantes propriedades biológicas que causam uma redução significativa no tamanho do tumor. 
Como agem as novas moléculas?

 

Mirco Fanelli: 
Voltando aos aspectos moleculares, as novas moléculas parecem agir através de novos mecanismos relacionados às modificações estruturais da cromatina. 
 Este mecanismo de ação, nunca tinha sido observado em moléculas de acao antineoplásica, é a base para um potencial desenvolvimento de moléculas que podem explorar estratégias alternativas que têm por alvo células tumorais.  
Em suma, esperamos desenvolver novas armas com as quais atacar o câncer e melhorar os tratamentos atuais, especialmente em relação aos canceres hoje sem terapia ou decorrente de uma recaída. 
Grupos de pesquisa envolvidos da Universidade de Urbino Carlo Bo:
Prof Tempo Vieri - Laboratório de Química Supramolecular
Dr. Mirco Fanelli - Laboratório de Patologia Molecular "Paola"Detalhes de publicações:- Síntese, basicidade, caracterização estrutural e as propriedades bioquímicas de duas [(3-hidroxi-4-Pyron-2-il) metil] derivados de amina que apresentam características antineoplásicas.
 Amadores S, G Ambrosi, Fanelli M, Formica M, Fusi V, L Giorgi, Macedi E Micheloni M, P Paoli, Pontellini R, Rossi P.J. Org. Chem. 2012 Mar 2, 77 (5) :2207-18. doi: 10.1021/jo202270j. 
 Epub 2012 22 de fevereiro.- Malten, uma nova molécula sintética que mostra in vitro a actividade antiproliferativa contra as células tumorais e à indução de DNA complexo alterations.
Amatori estrutural S, I Bagaloni Macedi E, Formica M, L Giorgi, Fusi V, Fanelli M.Br J Cancer. 2010 Jul 13; 103 (2) :239-48. doi: 10.1038/sj.bjc.6605745. Epub 2010 Jun 22.- Certificado de Patente de Invenção Industrial - Ministério do Desenvolvimento Económico - de 2012/02/22 (n º 0001392249) - Inventores: Fanelli-Time